sexta-feira, 27 de janeiro de 2006

Preferência pelos porcos...


PREFERÊNCIA PELOS PORCOS


“Tendo ele chegado ao outro lado, à terra dos gadarenos, saíram-lhe ao encontro dois endemoninhados, vindos dos sepulcros; tão ferozes eram que ninguém podia passar por aquele caminho. E eis que gritaram, dizendo: Que temos nós contigo, Filho de Deus? Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo? Ora, a alguma distância deles, andava pastando uma grande manada de porcos. E os demônios rogavam-lhe, dizendo: Se nos expulsas, manda-nos entrar naquela manada de porcos. Disse-lhes Jesus: Ide. Então saíram, e entraram nos porcos; e eis que toda a manada se precipitou pelo despenhadeiro no mar, perecendo nas águas. Os pastores fugiram e, chegando à cidade, divulgaram todas estas coisas, e o que acontecera aos endemoninhados. E eis que toda a cidade saiu ao encontro de Jesus; e vendo-o, rogaram-lhe que se retirasse dos seus termos.” (Mateus 8.28-34)

PENSAMENTO

A atitude dos moradores da cidade de Gadara para com o gesto libertador de Jesus Cristo não teve sua razão explícita pela narrativa bíblica. Contudo, expressa claramente que aquele povo ficou impressionado por ter visto tamanho estrago material sendo provocado para com os donos daqueles porcos, quando a manada se precipitou no abismo. É como se a presença de Cristo fosse agradável somente até o momento em que não causasse danos materiais, em que não tocasse em nada que pertencesse àquelas pessoas e lhes causasse perdas.

A impressão que temos é que se era preferível manter duas vidas aprisionadas por ninhos de demônios, jogadas aos sepulcros e vivendo em absoluta condição de miséria e exclusão social, a se perder uma manada de porcos.

Ora, sabendo-se que vale mais uma alma salva que o mundo inteiro perdido (Marcos 8.36), que Cristo é poderoso para libertar o cativo e restaurar vidas (João 8.32,36), e tendo Ele nos ordenado a divulgar Seu Evangelho à toda criatura (Marcos 16.15-16), não deveríamos nós nos alegrar e esforçar por anunciarmos Jesus Cristo ao mundo?

Nossas atitudes de comodismo e visão materialista, porém, têm nos impelido a manter-nos atentos aos programas de TV em vez de sairmos pelas ruas evangelizando e falando sobre o caminho da salvação ao pecador perdido; tem nos impulsionado a sobrecarregar-nos de trabalho em vez de reservarmos uns minutos diários em oração pela intercessão das vidas afastadas e desconhecedoras do Evangelho da Graça e também daquelas carentes de oração.

E, como não bastasse, nossa atitude egoísta, na maioria das vezes, eleva nossas orações a Deus em prol de benefícios que serão somente nossos! É como se não estivéssemos dispostos a perder absolutamente nada em nossas vidas em favor da propagação da glória de Deus e das vidas que precisam conhecer Jesus.

Sutilmente expulsamos o Senhor dos nossos termos, quando preferimos passar mais tempo com a tv, com o trabalho, com a Internet, com os amigos, dormindo, passeando, ou em qualquer outra ocupação mais do que com o Senhor Jesus Cristo em oração, meditando na Sua Palavra e trabalhando em prol da expansão do Reino de Deus.

Infelizmente, e esta é uma triste realidade, a maioria de nós, que já nos encontramos com Cristo, está agindo como aquela multidão: expulsando Jesus Cristo de nossas vidas e da cidade que precisa receber dEle a salvação, porque temos tido preferência pelos porcos...


“Perdão, Senhor, Grande Deus, pela grande falta de amor que há em nossos corações. Multiplica o Teu amor em nós, Senhor, e faça de nosso povo uma nação trabalhadora em prol da divulgação do Evangelho e da pessoa maravilhosa do Senhor Jesus. Dá-nos sabedoria e amor para termos preferência sempre pelas almas, e não nos atermos a ocupações que roubem o lugar que deve ser reservado ao Senhor em nossas vidas. Unge nossos pés para caminharmos por campos e valados levando a mensagem da salvação, adestra nossas mãos para guerrear contra o império do mal, dá-nos ouvidos sensíveis para ouvir Tua voz poderosa a nos conduzir, para discernir e conhecer a Verdade, e para escutar e atentar à mais real necessidade do coração ferido. Dá-nos vigor e disposição para trabalhar, meu Deus, pois, embora já estejamos nos últimos minutos para o término da colheita, sabemos que ainda há muito o que fazer... não podemos parar! Desperta em nós, Senhor, meu Deus, o desejo maior de alegrar Teu coração com cada atitude nossa... e que possamos começar tendo prazer e disposição em anunciar a salvação ao mundo, ainda que isso signifique renunciar e nos desfazer de qualquer coisa que possa nos atrapalhar de ver a Tua glória Se manifestando às vidas. Em nome de Jesus, eu oro. Amém.”


Que o Senhor possa falar melhor ao teu coração...