sexta-feira, 3 de novembro de 2006

Como a Aranha Marrom


INSUSPEITAVELÍSSIMO... COMO UMA ARANHA MARROM!

...Noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência. Entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também. Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos).” (Efésios 2.2-5)

Anteontem, recebi um e-mail com informações sobre a aranha-marrom.

É um pequeno aracnídeo com, aproximadamente, 1 a 4 cm de tamanho (1 de corpo e 3 de envergadura de pernas), que habita em fendas de barrancos, sob cascas de arvores, telhas, tijolos empilhados, atrás de quadros e móveis, cantos de parede, sempre ao abrigo da luz direta, no interior de domicílios (se refugiando em vestimentas e sapatos), mas que pode causar um estrago imensamente grande no corpo humano, inclusive levar sua vítima a óbito. Confesso que fiquei impressionada com as imagens que vi da mão de uma pessoa que foi picada por um animal desses.

Desde então, essa mensagem que agora você lê tomou minha mente e coração, a fim de refletirmos mais uma vez sobre a aparente insignificância do pecado.

Desde que Adão e Eva pecaram pela primeira vez, o mal se instalou no mundo sempre de forma progressiva e devastadora. Poucas vezes, porém, ele se manifestou de forma a ser identificado imediatamente pelos homens. Em geral, o diabo camufla seus atos para que as pessoas se mantenham aprisionadas e distantes de Deus sem perceber isso. Ele as ilude com favores e altas doses de prazer momentâneo, até que venha a possuí-las por completo.

Quem vê uma pequena aranha marrom não suspeita (a menos que já tenha sido informado) do tamanho do prejuízo que ela pode causar à saúde humana. Porém, sua picada tem um efeito tardio. As dores só começam depois de 12 a 14 horas.

Igualmente, pouquíssimas vezes o diabo apareceu com chifres, rabo pontiagudo, grandes presas assombrosamente salientes, segurando um tridente em suas garras extremamente afiadas e liberando uma gargalhada infernal (se é que essa seja a real imagem que ele tem). Ao contrário: diz a Bíblia que o maligno “se reveste em anjo de luz” para “enganar, se possível, até os escolhidos” (2Coríntios 11.14; Mateus 24.24). Ele não vem a nós com afrontas, nem expondo suas idéias mirabolantes para derrotar o Senhor e tomar dEle o trono, tão pouco vem contradizendo (de forma nua e crua) as verdades espirituais que valorizamos. Ele vem, sim, com seduções e encantamentos, se aproximando de forma amigável e ganhando nossa confiança. Trabalha nas pequenas coisas para nos convencer a praticar o mal. Se não houver vigilância da nossa parte e os cuidados do Senhor sobre nós, certamente faremos tudo o que o maligno nos induzir. E, conseqüentemente, nos afastaremos do nosso Criador.

Muitas e muitas pessoas praticam “pequenos pecados” (como dizer mentiras, ter inveja, falar sobre a vida alheia, desejar algum mal – por menor que seja, beber socialmente, comer desenfreadamente, namorar sem estabelecer certos – e extremamente necessários - limites, afrontas, ter irreverência na Casa de Deus, pronunciar alguns “palavrõezinhos” e participar de conversas torpes, falar mal dos governantes, descumprir responsabilidades, julgar e condenar, fazer acepção de pessoas, entre tantas outras coisas que poderíamos citar... E pouquíssimas vezes o fazem tendo consciência de que para Deus não há “pecadinho” nem “pecadão”, mas que tudo isso é pecado e responderá em juízo caso não haja arrependimento nem confissão e renúncia a tais práticas. É a Bíblia quem diz:

O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.” (Provérbios 28.13)

Porque os olhos do Senhor estão sobre os justos,e os seus ouvidos atentos às suas orações; mas o rosto do Senhor é contra os que fazem o mal.” (1Pedro 3.12)

Como o veneno da aranha-marrom, o mal também tem um efeito tardio. Ele não nos impressiona e desilude da vida de imediato. Ele nos envolve pouco a pouco para vir à tona quando já estivermos completamente desviados do caminho da salvação.

Um abismo chama outro abismo” (Salmos 42.7), e pequenas práticas pecaminosas podem comprometer seriamente a nossa salvação, quando não, culminar em nossa morte espiritual.

Quando ouvimos a expressão “pecado”, nos lembramos somente de atitudes mais berrantes, como adultério, vícios, prostituição, assassinato, roubos, idolatria, feitiçaria, e acabamos nos esquecendo que o diabo trabalha muito mais naquilo que parece inocente, como uma aranha de 4cm de tamanho.

A aranha da nossa história se esconde em locais muito próximos a nós: nas árvores dos nossos quintais, nas fendas dos nossos telhados e, pasmem, dentro de nossas casas. Igualmente, não precisamos ir longe, nem mesmo sair de nossas casas para pecarmos. O pecado está em nós e injetará seu veneno em nossa corrente sangüínea espiritual se não formos cuidadosos por nos prevenir dele.

Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço.” (Romanos 7.19)

A tal aranhazinha não é agressiva mas injeta seu veneno no organismo humano quando é pressionada. O maligno também não é agressivo com quem não mexe com ele. Quem não lhe perturba nem lhe oferece ameaça, não se sente incomodado por ele, porque, na verdade, já convive em harmonia com o mal. Pessoas que se levantam contra o reino das trevas no nome de Jesus, porém, seja para viver uma vida em santificação, seja para guiar outras pessoas aos pés de Cristo, travam uma guerra constante contra o diabo, e só não caem nem se rendem porque são sustentadas pelo poder do Deus Vivo.

A orientação para nos prevenirmos do pecado é bastante simples (tal como sacudir sapatos e roupas antes de usá-los – locais onde a pequena aranha costuma se esconder). Está escrito em 1Tessalonicenses 5.22: “FUGI DA APARÊNCIA DO MAL”. E Jesus também falou sobre isso em Marcos 9.43-48, quando disse que é melhor lançarmos fora a parte do corpo (espiritual) que nos faz pecar para entrarmos aleijados no céu do que ter o corpo inteiro lançado no inferno.

O Espírito Santo nos convence do pecado, da justiça e do juízo. Ele não foi enviado por Jesus para ficar vagueando sobre a terra como uma pomba a se exibir pelo azul do céu. Não. Ele é uma pessoa e tem atitudes. Ele foi enviado para nos ensinar a maneira correta de se viver, a fim de permanecermos perfeitamente alinhados à correta vontade de Deus.

Busquemos nEle, pois, a orientação, a proteção e a força permanentes para que possamos manter nossa casa espiritual livre de “inocentes pecadinhos” ou de comprometedores “pecadões”, sempre limpa e organizada, limpa do mal e agradável para Deus.

O Espírito de Deus é a fonte do nosso poder... e só o pecado pode quebrar essa conexão.

ORAÇÃO

“Amado Senhor, por favor, expurga de mim os erros que não me são conhecidos. Eu Te confesso e peço perdão neste momento pelo(s) mal(es) que tenho cometido (cite o que você entende estar errado em você) e Te peço misericórdia e socorro, para que eu possa recomeçar direito. Quero ser perfeito em Tua presença e caminhar com o Senhor de forma a ser agradável a Ti. Por favor, perdoe-me pela minha insensibilidade ao pecado, que se aparenta tão prazeroso mas que, no fundo, quer me destruir e manchar o Teu Santo Nome. Eu confio em Jesus para me ensinar a ser santo como Ele é. E é por Ele mesmo que eu oro agora. Amém.”

UTILIDADE PÚBLICA

As imagens e informações que obtivemos sobre a aranha marrom e às quais nos referimos no decorrer desta meditação, estão disponíveis para você em uma apresentação em slides que criamos no Power Point com os dados que recebemos por e-mail e com outros que adquirimos no site no Instituto Butantã de São Paulo, para que você também tome nota da seriedade deste assunto. CLIQUE AQUI para assisti-la ou salvá-la em seu computador.