domingo, 25 de janeiro de 2009

Arbustos no deserto




"Assim diz o SENHOR:

Maldito é o homem
que confia nos homens,
que faz da humanidade mortal a sua força,
mas cujo coração se afasta do SENHOR.
Ele será como um arbusto no deserto;
não verá quando vier algum bem.
Habitará nos lugares áridos do deserto,
numa terra salgada onde não vive ninguém.
Mas bendito é o homem
cuja confiança está no SENHOR,
cuja confiança Nele está.
Ele será como uma árvore
plantada junto às águas
e que estende as suas raízes para o ribeiro.
Ele não temerá quando chegar o calor,
porque as suas folhas estão sempre verdes;
não ficará ansiosa no ano da seca
nem deixará de dar fruto."
(Jeremias 17.5-8 – NVI)


Tempos de crise mundial...

O mundo olha para o novo presidente dos Estados Unidos como a esperança para boas novas nos anos que seguem. Os sistemas financeiros das nações e sua integração nunca receberam tanta atenção dos especialistas como nesses últimos dias. Tudo para evitar que um caos ainda maior se instale no mundo.

Tempos de crise pessoal...

Homens e mulheres seguem seus dias a passos largos, correndo para um destino incerto. Pessoas vazias e cheias de indagações que nunca encontraram respostas seguras. No vaivém das ruas, onde milhares, milhões até, se encontram sem se perceber, faltam certezas, faltam motivos, sobram insatisfações.

O fato é que há milhares de ano o ser humano busca uma explicação para sua origem, um motivo para sua estadia e um destino para sua história. Algumas vezes tem confiado a deuses e mitos tais respostas. E na maioria das vezes, simplesmente, tem depositado em si mesmo tal esperança... Foi assim que chegou ao estado vazio, solitário e indefeso, de onde, na verdade, nunca saiu, meramente por não ter dado ao Deus Criador um voto sincero de confiança.

A boca do SENHOR é que fala, que "o homem que confia nos homens, que faz da humanidade mortal a sua força", este é maldito. Compara-o a um arbusto no deserto, figura que nos reporta à tristes constatações de uma realidade desanimadora na vida de quem não concentra nas mãos do seu Criador a responsabilidade de escrever a sua história.

O deserto é um lugar cuja oscilação da temperatura varia de forma drástica. Os aproximados 57ºC do calor do dia contrastam com os 0ºC a que chega a noite. Hora calor demasiado, hora um frio impiedoso... arbustos no deserto estão sujeitos a isso. Pessoas sem Deus também: hora abastanças e certezas, hora crises e dúvidas. Hoje se tem, e amanhã ninguém sabe como será. "Amigos" à revelia quando o cofrinho está cheio. Basta que o dinheiro se acabe para que o lugar dos "amigos" volte a ser uma vaga desocupada. Estabilidade e segurança, que vêm e que vão tão logo a primeira crise surja nos autos dos relacionamentos, do emprego, do lazer.

Depois da fortuna, a miséria de uma alma insatisfeita. Depois da presença dos amigos, o vazio de uma alma solitária. Depois das garantias quebradas, o temor de um futuro problemático e imprevisível.

O conselho do salmista é: "Entregue o seu caminho ao SENHOR; confie Nele, e Ele agirá. (...) Pois o SENHOR firma os passos de um homem, quando a conduta deste O agrada" (Salmos 37.5,23). Palavras de Davi, um homem acostumado a deixar Deus conduzir sua vida e, por experiência própria, pode garantir que não há nada mais seguro do que descansar nossas vidas nas mãos do SENHOR. A exemplo disso, num certo momento de devaneios, quando Davi já era rei e, por orgulho deixou de buscar a direção desse Deus Vivo, voluntariamente cometeu um adultério e um homicídio. Como resposta da justiça de Deus à sua atitude independente e ofensiva ao SENHOR, Davi colheu produtos de amargura:

"Por isso, a espada nunca se afastará de sua família, pois você Me desprezou e tomou a mulher de Urias, o hitita, para ser sua mulher. De sua própria família trarei desgraça sobre você. Tomarei as suas mulheres diante dos seus próprios olhos e as darei a outro; e ele se deitará com elas em plena luz do dia. Você fez isso às escondidas, mas Eu o farei diante de todo o Israel, em plena luz do dia... O SENHOR perdoou o seu pecado. Você não morrerá. Entretanto, uma vez que você insultou o SENHOR, o menino [fruto do adultério] morrerá." (2Samuel 12.10-13)

Depois do prazer, a infelicidade. E o que parecia perfeito trouxe desgraças à família do rei Davi. Sina dos arbustos no deserto...

O deserto também é um lugar de raríssimos casos de chuva e que, quando ocorrem, são heterogêneas, mal distribuídas, acima da média em alguns pontos e abaixo da média em outros. Reflete a desigualdade no mundo onde Deus não está. Injustiças, favoritismos, acepções. Pouco para muitos e muito para poucos. Diferente do Reino de justiça, de amor e de paz, que Jesus veio instaurar, "porque o SENHOR é justo, e ama a justiça; o Seu rosto olha para os retos" (Salmos 11.7). O Seu Reino é "estabelecido e mantido com justiça e retidão, desde agora e para sempre..." (Isaías 9.7), pois Deus "não faz acepção de pessoas, nem aceita recompensas" (Deuteronômios 10.17).

Deserto é lugar de escassez. Falta água, falta alimento, faltam condições básicas necessárias para a sobrevivência de alguém. Assim como é escassa a vida de pessoas que não estão debaixo da bênção de Deus, e lhes faltam amor, paz, justiça, faltam também forças, respostas, sentido para a vida, razões para viver. Deus, porém, nos assegura que nada faltará àqueles que buscam plena satisfação Nele:

+ Há um "mapa", que é Jesus Cristo: "Eu sou o Caminho, e a Verdade, e a Vida. Ninguém vem ao Pai, se não por Mim." (João 14.6)

+ Há alimento e água: "Eu sou o pão da vida. Aquele que vem a Mim nunca terá fome; aquele que crê em Mim nunca terá sede. (...) Quem beber da água que Eu lhe der nunca mais terá sede. Ao contrário, a água que Eu lhe der se tornará nele uma fonte de água a jorrar para a vida eterna." (João 6.35; 4.14)

+ Há descanso e ajuda: "Venham a Mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e Eu lhes darei descanso. Tomem sobre vocês o Meu jugo e aprendam de Mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas. Pois o Meu jugo é suave e o Meu fardo é leve." (Mateus 11.28-30)

+ Há luz: "Eu sou a luz do mundo. Quem Me segue, nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida."

+ Há uma bússola (Bíblia) que não deixa o homem se perder do caminho da salvação para o da condenação eterna: "Asseguro-lhes que, se alguém obedecer à Minha Palavra, jamais verá a morte." (João 8.51)

+ Há fortalecimento: "Não deixará vacilar o teu pé..." (Salmos 121.3ª - ARC); "Pois Eu sou o SENHOR, o seu Deus, que o segura pela mão direita e lhe diz: Não tema; Eu o ajudarei." (Isaías 41.13); "O SENHOR o guiará constantemente; satisfará os seus desejos numa terra ressequida pelo sol e fortalecerá os seus ossos. Você será como um jardim bem regado, como uma fonte cujas águas nunca faltam." (Isaías 58.11); "Ele fortalece o cansado e dá grande vigor ao que está sem forças. Até os jovens se cansam e ficam exaustos, e os moços tropeçam e caem; mas aqueles que esperam no SENHOR renovam as suas forças. Voam alto como águias; correm e não ficam exaustos, andam e não se cansam." (Isaías 40.29-31)

+ Há proteção: "O seu Protetor Se manterá alerta, sim, o Protetor de Israel não dormirá; Ele está sempre alerta! O SENHOR é o seu protetor; como sombra que protege, Ele está à sua direita. De dia o sol não o ferirá, nem a lua, de noite. O SENHOR protegerá de todo o mal, protegerá a sua vida. O SENHOR protegerá a sua saída e a sua chegada, desde agora e para sempre." (Salmos 121.3-8)

Arbustos no deserto, pessoas que depositam sua confiança em homens, estão muito distantes destes e de outros benefícios, garantidos somente aos que voltam sua confiança em Deus, o SENHOR.

No deserto, a pouca vegetação que há esconde animais rasteiros, pequenos roedores e insetos venenosos. Tal realidade nos lembra que as poucas coisas que se consegue do mundo são bênçãos traiçoeiras e, no final, saem muito caras... podem custar até a salvação! Uma pessoa pode encontrar felicidade em boates, em vícios, no sexo ao bel-prazer. Mas em nenhuma dessas coisas Deus está. E se Deus não está, a certeza da salvação também não será encontrada. Na verdade, "a amizade com o mundo é inimizade com Deus. Quem quer ser amigo do mundo faz-se inimigo de Deus." (Tiago 4.4)

Viver uma vida temperada com mentiras, preconceito, luxúria, inveja, vingança, maldade, idolatria, entre tantos outros comportamentos abomináveis ao SENHOR Deus, é apenas um meio de passar por este mundo sem deixar sua impressão. Não leva a vida a lugar nenhum de bom, nem traz nada de bom para a vida. Ao contrário: afasta, cada vez mais, o homem de Deus. Pode até haver algum prazer em saciar desejos naturais da essência carnal humana, mas a única certeza é que haverá uma inquietação irreparável na alma que tramita distante do seu Criador. E o pior é que não é só isso: a perda eterna da salvação pode se tornar um fato real. Portanto, "não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Pois tudo o que há no mundo – a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens – não provém do Pai, mas do mundo. O mundo e a sua cobiça passam, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre." (1João 1.15-17)

E é interessante observar que neste lugar de solidão, onde cada um por si deve viver, não há nenhum socorro próximo contra as feras e os animais perigosos do deserto. Um arbusto no deserto corre o risco de se tornar comida a qualquer momento para um animal faminto. Uma pessoa no deserto corre o risco de se tornar vítima de um predador feroz sem aviso prévio e sem socorro aparente. Uma alma desprovida de Deus em um deserto certamente perecerá.

"...Sem Mim, nada podeis fazer" (João 15.5); palavras de Jesus Cristo, lembrando aos Seus discípulos que tanto as obras quanto a própria existência dos seres dependem de Deus.

Durante sua peregrinação, o salmista eleva os olhos para os montes e pergunta: "De onde me vem o socorro?" (Salmos 121.1). Incomum seria dizer que algum ser humano, em algum momento, não tenha elevado os olhos para os horizontes distantes da vida e feito essa pergunta a si mesmo ou a outros: "De onde virá o socorro?". Um homem que viveu amparado por Deus e estava habituado a receber Dele o consolo para o seu coração, encontrou rapidamente a resposta para sua própria pergunta, e afirmou intrepidamente: "O meu socorro vem do SENHOR, que fez os Céus e a terra." (Salmos 121.2).

Arbustos no deserto são seres solitários, sem consolo, e que, se tivessem olhos, contariam dramaticamente sobre o que já testemunharam, das fugas desesperadas das manadas para escaparem dos ataques das feras. Da mesma forma, acostumados a ver todos os presentes partirem repentinamente quando as situações se tornam desagradáveis, pessoas sem Deus caminham sem muita esperança, sem muita vontade de viver, e podem contar (se não sobre os seus) sobre o drama das fugas desesperadas de outras pessoas que foram atacadas pela opressão maligna. Cenas como depressão, surtos, suicídio... sem ninguém que, aparentemente pudesse lhes socorrer.

Mas "o Espírito nos ajuda em nossa fraqueza" (Romanos 8.26a). "O SENHOR é Bom, um refúgio em tempos de angústia. Ele protege os que Nele confiam." (Naum 1.7). Portanto, "busquem ao SENHOR enquanto é possível achá-Lo; chamem por Ele enquanto está perto. Que o ímpio abandone o seu caminho, e o homem mau, os seus pensamentos. Volte-se para o SENHOR, que terá misericórdia dele; vote-se para o nosso Deus, pois Ele dá de bom grado o seu perdão." (Isaías 55.6-7)

Falemos, ainda, das miragens do deserto, das ilusões que tornam caminhos de morte em caminhos aparentemente agradáveis (Provérbios 14.12). Enganos que enchem os olhos mas não são capazes de preencher o vazio da alma. Encantos que alimentam cada vez mais a busca pela satisfação que nunca é alcançada. Assim é o mundo... solitário, vazio, desolado. Sem esperança, sem porquês, sem graça. Violento, desrespeitoso, vulgar. Contraditório, perigoso, malvado, mentiroso! Aventurar-se a viver longe de Deus é sujeitar-se a viver todas essas coisas ao mesmo tempo.

"Não verá quando vier algum bem", o tal arbusto do deserto, pois tem recebido de Deus favores imerecidos e impagáveis, mas tem atribuído tal graça a outros seres, ou deles esperado benefícios. É como aqueles que esperam pelo purgatório, quando têm salvação gratuita de Jesus (Tito 2.11; Hebreus 5.8-9). Como os que pagam penitências sendo que já podem obter o perdão de Deus através de Cristo (Atos 10.43). Quais os que fazem boas obras para serem santos, mesmo sabendo que o sangue de Cristo é que purifica o homem de todo o pecado (1João 1.7,9).

As desilusões com os ídolos mortos, as decepções para com as pessoas, trarão desânimo, amargura, pessimismo, murmurações, ingratidão, porque pessoas que esperam por aqueles que nada podem fazer acabam perdendo o prazer das coisas boas que Deus dá aos homens todos os dias. Esperam pelas grandes mudanças e por grandes fatos, e acabam não vendo Deus nas coisas simples do dia-a-dia.

"Mas bendito é o homem cuja confiança está no SENHOR"! Outra vez: CUJA CONFIANÇA ESTÁ NO SENHOR...

Ele será como uma árvore, não como um arbusto no deserto.

...E plantado junto às águas será sempre verde, embelezando a paisagem, fazendo a diferença mesmo na época seca. As águas do rio garantem às plantas ao seu redor a beleza da vida durante todo o ano. É comum observarmos árvores verdejantes e gramas vivas às beiras dos rios resistindo às paisagens secas, ao tempo embaçado e às muitas queimadas dos períodos de aridez. Da mesma sorte, é comum encontrarmos pessoas cheias de Deus, alegres com a vida, ainda que enfrentando adversidades, resistindo ao ímpeto do desânimo e à força opressora do mal. Elas reconhecem que a morte do Filho de Deus na cruz lhes trouxe liberdade e a alegria da salvação que ninguém (nin-guém) pode lhes tirar se não permitirem assim (Gálatas 5.1).

"Mudaste o meu pranto em dança, a minha veste de lamento em veste de alegria, para que o meu coração cante louvores a Ti e não se cale. SENHOR, meu Deus, eu Te darei graças para sempre." (Salmos 30.11-12)

Essas vidas já andaram em absoluta sequidão, mas atenderam à voz de Deus e agora estão plantadas à beira do Rio que jorra do Trono da Graça, do grande amor e perdão do Pai, e nunca perdem a vitalidade que lhes é avalizada por Cristo Jesus.

E assim, plantadas no lugar onde a vida permanece, "estendem as suas raízes para o ribeiro", num gesto singular de dependência de Deus assim como as plantas dependem da água para viver. São pessoas que não tomam decisões sozinhas e também não se precipitam. Sabem esperar pelo tempo e pela vontade perfeita de Deus, porque entendem que somente Nele há perfeição para determinar o que é correto. Guardam a certeza que "a bênção do SENHOR é que enriquece, e não traz consigo dores." (Provérbios 10.22 - ACF)

Árvores plantadas à beira rio não temem quando chega o calor, "porque as suas folhas estão sempre verdes; não ficará ansiosa no ano da seca nem deixará de dar fruto." Assim são todos os que esperam em Deus, conferem a Ele (e somente a Ele) a sua confiança, a sua esperança, a sua adoração. Amparados em Deus jamais estarão sozinhos, pois "Deus faz que o solitário viva em família; liberta aqueles que estão presos em grilhões; mas os rebeldes habitam em terra seca" (Salmos 68.6). Haverá disposição para continuarem a jornada, mesmo no meio de lutas e tempestades, fogo, água, perigos. As perdas não poderão ser contadas com os ganhos daqueles que vivem sob a dependência do Altíssimo. E nada poderá lhes separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus. (Isaías 43, Romanos 8)

Deus não pára, não dorme e não Se cansa (Salmos 121.4; Isaías 40.28). Se Ele é o centro, seja para o homem individualmente, seja para a população mundial, a esperança não morrerá, o cansaço não superará as forças, as virtudes não escoarão para o esgoto do fracasso.

Tendenciosamente, muitos excluíram Deus dos Seus planos, adotaram para si outras pessoas para merecerem sua confiança e devoção e agora, a cada novo amanhecer, ampliam seu rol de incertezas, de desmotivações, de tristezas que causam o cansaço da própria vida... (Romanos 1.18-32). Mas havendo vida, ainda há esperança. E é por isso que a voz do SENHOR ainda chama.

A você que se sente como um arbusto no deserto – seja onde você estiver (dentro de uma igreja ou fora dela) – não endureça o coração, mas abra a porta da alma para dar vazão ao amor de Deus que ampara e direciona todas as pessoas que se voltam para Ele.

Eu ouvi e hoje vivo!

Ainda há tempo para você também.


___________
Salvas as exceções devidamente identificadas, todas as citações bíblicas deste artigo foram extraídas da Bíblia na Nova Versão Internacional (NVI).