sábado, 10 de julho de 2010

Acareação com Jesus Cristo




Depois que a mulher adúltera teve um encontro com Cristo, sua história já não foi mais a mesma.

Não é de hoje que se discute a superficialidade no relacionamento de muitos cristãos com o SENHOR Jesus. Relacionamento este que é visível pelo comportamento contraditório ao caráter do nosso SENHOR, e que tem sido característico da maioria dos cristãos diante da sociedade em dias de hoje, manchando a honra do SENHOR e trazendo descrédito ao Seu Reino.

Agressividade, impaciência, falsidade, infidelidade, mentira, suborno, insubmissão, arrogância, egoísmo, ambição, preconceito, inveja, fofoca, imoralidade, sensualidade, mundanismo, idolatria, rebeldia. São apenas alguns exemplos de maus testemunhos que embaçam a visão que o mundo tem acerca da Igreja do SENHOR Jesus Cristo. Essa triste e vergonhosa realidade nada mais é que falta de conversão genuína, verdadeiramente alicerçada nos princípios bíblicos que Jesus Cristo nos deixou.

Vemos o inchamento de congregações cujos líderes e membros estão mais preocupados em acrescentar quantitativos monetários em vez de qualidade espiritual às suas vidas. Doutrinas indiscutíveis expostas pelo Evangelho do SENHOR simplesmente foram extraídas do seio das congregações, de acordo com os interesses pessoais dos seus líderes, quase sempre respaldados pela ganância e pela visão materialista que tem se sobreposto à espiritualidade e santidade exigidas pela Palavra de Deus:

Quem é dominado pela carne não pode agradar a Deus. Entretanto, vocês não estão sob o domínio da carne, mas do Espírito, se de fato o Espírito de Deus habita em vocês. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Cristo. [...] Pois se vocês vivem de acordo com a carne, morrerão; mas, se pelo Espírito fizerem morrer os atos do corpo, viverão, porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus.” (Romanos 8.8-9,13-14)

"Portanto, em nome do Senhor eu digo e insisto no seguinte: não vivam mais como os pagãos, pois os pensamentos deles não tem valor, e a mente deles está na escuridão. Eles não tem parte na vida que Deus dá porque são completamente ignorantes e teimosos. Eles perderam toda a vergonha e se entregaram totalmente aos vícios; eles não tem nenhum controle e fazem todo tipo de coisas indecentes. Mas não foi essa a maneira de viver que vocês aprenderam como seguidores de Cristo. Com certeza vocês ouviram falar dEle e, como Seus seguidores, aprenderam a verdade que está em Jesus. Portanto, abandonem a velha natureza de vocês, que fazia com que vocês vivessem uma vida de pecados e que estava sendo destruída pelos seus desejos enganosos. É preciso que o coração e a mente de vocês sejam completamente renovados. Vistam-se com a nova natureza, criada por Deus, é que parecida com a Sua própria natureza e que se mostra na vida verdadeira, a qual é correta e dedicada a Ele." (Efésios 4.17-24-NTLH)

Quando a Palavra de Deus ecoa no coração do homem, a transformação de sua vida pecaminosa é inevitável, pois o Espírito Santo encontra passagem para entrar e “limpar a casa espiritual” daquela pessoa.

Jesus, conversando com uma samaritana, contou-lhe tudo o que ela havia feito. Diferentemente dos adeptos dos movimentos e ministrações, que se apegam às “ministrações e atos proféticos” e se desprendem da Palavra de Deus, Jesus mostrou àquela mulher, pela exposição da Palavra de Deus, o seu pecado. Jesus não conversou nada que lhe massageasse o ego. Ele não tentou encher os ouvidos daquela mulher para ganhar a sua confiança. Ele contou-lhe a verdade acerca do Reino de Deus, revelou tudo o que ela tinha feito e era exatamente isso o que ela precisava saber.

A Bíblia nos convida a meditar mais sobre tudo o que temos feito. “Examine-se cada um a si mesmo” (1Coríntios 11.28), é a divina ordem. “Se examinássemos primeiro a nossa consciência, nós não seríamos julgados pelo SENHOR. Mas somos julgados e castigados pelo SENHOR, para não sermos condenados junto com o mundo” (1Coríntios 11.31-32-NTLH). Precisamos saber como temos vivido, que testemunho temos dado, como temos andado diante dos homens. Pode o mundo dar crédito a Deus através de nós? Somos mesmo espelhos de Cristo na terra?

Muitos samaritanos daquela cidade em que Jesus evangelizou e aconselhou a samaritana creram nEle por causa do testemunho dado pela mulher: “Ele me disse tudo o que tenho feito” (João 4.39). E porque creram também insistiram em que o SENHOR ficasse com eles, e Ele ficou por dois dias. “E por causa da Sua Palavra, muitos outros creram.” (João 4.41)

O testemunho da samaritana foi convidativo, foi contagiante. Se Jesus estava revelando o oculto e o que precisava ser tratado, é porque Ele era diferente dos outros profetas que “tratam a ferida do povo como se não fosse grave. ‘Paz, Paz’, dizem, quando não há Paz alguma.” (Jeremias 6.14).

Para a salvação do homem, não adianta pregar só vitória e conforto. O caminho para a vida eterna é espinhoso e conflitante, exige muitas e às vezes dolorosas renúncias. E também não adianta riscar o tema “cruz, salvação e eternidade” das pregações, como temos visto nas ministrações sobre auto-ajuda e prosperidade, “pois, que adiantará ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou, o que o homem poderá dar em troca de sua alma?” (Mateus 16.26).

Muitos “profeteiros” dos últimos dias trazem receitas prontas sobre vitória, esquecendo-se que nem todas as conquistas materiais juntas poderão salvar o homem se ele comparecer diante do SENHOR ainda como velha criatura, sem nunca ter vencido o pecado e renascido de Deus (1João 5.4-5; 2Coríntios 5.15-17). Veja o conselho do SENHOR, na voz do profeta Jeremias:

Assim diz o SENHOR ao povo de Judá e Jerusalém: Lavrem seus campos não arados e não semeiem entre espinhos.” (Jeremias 4.3)

Lavrar os campos não arados está diretamente para explorar aquilo que ainda está por fazer. No nosso caso, tratar daquela ferida que ainda lateja na alma, trabalhar nossos espíritos que não estão sendo alimentados pela palavra de vida eterna e transformação. Dedicar-se ao Evangelho da Cruz, que está guardado enquanto um evangelho antropológico molda pessoas egoístas, ambiciosas e hipócritas. Esse cuidado só passamos a ter quando temos um encontro verdadeiro com Jesus, frente a frente, e nossas culpas e máculas nos são expostas por Ele, que “revela coisas profundas e ocultas; conhece o que jaz nas trevas, e a luz habita com Ele.” (Daniel 2.22)

Já os espinhos, na parábola do semeador contada por Jesus (Mateus 13.1-9), significam “a preocupação desta vida e o engano das riquezas”, que sufocam a semente semeada (Palavra de Deus), tornando-a infrutífera (Mateus 13.22). As pessoas recebem uma Palavra que pode transformar suas personalidades, mudar o caráter, alterar destinos, mas porque seus olhos estão condicionados somente à suas vidas neste mundo, a Palavra deixa de produzir a verdadeira transformação do pecador num filho parecido com Deus.

Aqueles profetas do tempo de Jeremias ensinavam doutrinas corrompidas para o povo de Deus. Suas atitudes eram corrompidas. Seus ensinamentos eram corrompidos. E Judá e Jerusalém, povo que se chamava ‘povo do SENHOR’, [não estamos falando do mundo, mas do “povo de Deus”] também vivia de forma corrupta, desaprovada por Deus e mereceu justo castigo. “Desde o menor até o maior, todos são gananciosos; profetas e sacerdotes igualmente, todos praticam o engano.” (Jeremias 6.13)

A sua ambição levava o povo guiado espiritualmente pelos profetas corrompidos a um distanciamento das coisas espirituais e santas que estão no SENHOR e que são requisitos para vivermos a eternidade com Ele. A parte podre – a alma pecadora – permanecia por tratar, enquanto os olhos se deslumbravam, os ouvidos eram cheios e os egos eram acalentados por falta de denúncia do pecado, pela ausência da verdadeira e libertadora Palavra de Deus.

Santifica-os na verdade; a Tua Palavra é a verdade” (João 17.17).

O SENHOR Deus deseja que todos os homens “cheguem ao conhecimento da Verdade” e sejam salvos por Ela (1Timóteo 2.4; 1Tessalonicenses 4.3), porque somente a Verdade do SENHOR pode libertar o homem, purificar o seu caminho, tratar do seu pecado com a devida rispidez (João 8.32,36; Salmos 119.9). Não se pode dizer o mesmo das fábulas que tem sido dadas pelos mercenários da fé e acolhidas pelas massas desesperadas por satisfação pessoal e realizações materiais. Por causa dos falsos profetas, multidões não estão dando atenção ao verdadeiro ensinamento, mas seguem seus próprios desejos, e arranjam para si uma porção de mestres que lhes dizem tudo o que querem ouvir. Deixam de buscar a Verdade para dar ouvidos às lendas, a todo tipo de mito (2Timóteo 4.3-4). Os falsos ministros do SENHOR inventam incontáveis alegorias e desviam do caminho da verdadeira Fé um povo tolo, incauto e sedento de coisas materiais que lhes aproximem do sagrado.

A explicação das Tuas palavras ilumina e dá discernimento aos inexperientes” (Salmos 119.130). E foi isso que Jesus fez. Ele expôs a Sua Palavra, denunciou o pecado e apontou a solução para aquela samaritana. E porque a mulher ouviu atentamente, creu sinceramente e acatou a oferta de Jesus – a que dá de graça água viva que sacia a alma e jorra para a vida eterna, em vez de água líquida que só mata a sede do corpo e apenas temporariamente (João 4.10-26) – a samaritana já não mais era uma adúltera que precisava se esconder.

Ao meio dia o sol de Samaria é escaldante. Trata-se de uma região árida e muito quente. As mulheres tinham o costume de pegar água bem cedo ou à tardinha, quando o clima estava mais fresco. Como aquela mulher teve mais de cinco maridos, era adúltera: tratava-se de uma mulher gravemente ferida pela vida. E ao meio dia, em pleno calor, vai com o cântaro ao poço, em vez de fazê-lo nas horas mais propícias. Tudo porque sente vergonha e quer evitar a corrosiva murmuração do povo.

Isso prova que aquela mulher mudou. Ao meio-dia, ela era mais uma “pecadora sem futuro” buscando água física que lhe seria útil por algum tempo apenas. Depois, a “bênção material” acabaria e a mulher teria novamente que voltar àquela fonte. Mas, e se aquele poço secasse? E se alguém o entulhasse? E se fosse contaminado por algum animal morto que caísse lá dentro? E se não acontecesse nada disso mas aquela mulher tivesse que passar o resto da sua vida naquela rotina de abastecer o corpo e permanecer com sua alma vazia?

Ela precisava beber da água da vida, a água viva que o SENHOR Jesus oferece de graça ao mundo. Essa fonte não cessa de jorrar. Essa água purifica a alma e sacia o homem eternidade a dentro.. (João 4.14; 7.37-39). Ela precisava largar o material e se render à transformação espiritual que levará o homem à eternidade com Deus.

Depois de se encontrar com Jesus e receber dEle a Palavra de Deus que lhe esclareceu todos os fatos sobre sua vida e seu possível futuro, a mulher já não se escondia. Lemos que após aquele encontro, a samaritana estava na cidade dando seu testemunho. E que grande testemunho! Tão nobre que muitos outros creram e foram ter pessoalmente com Jesus.

Muitos samaritanos daquela cidade creram em Jesus porque a mulher tinha dito: ‘Ele me disse tudo o que eu tenho feito’. Quando os samaritanos chegaram ao lugar onde Jesus estava, pediram a Ele que ficasse com eles, e Jesus ficou ali dois dias. E muitos outros creram por causa da mensagem dEle. Eles diziam à mulher: ‘Agora não é mais por causa do que você disse que nós cremos, mas porque nós mesmos O ouvimos falar. E sabemos que Ele é, de fato, o Salvador do mundo.” (João 4.39-42-NTLH)

A Palavra de Deus, a Verdade, está além das fábulas, tanto na sabedoria que contém quando na eficácia dos resultados que produz. Por isso, a Verdade não pode deixar de ser dita. O pecado não pode ser ignorado, abafado ou menosprezado. Ele deve ser tratado de frente, com a devida seriedade, determinação e bom senso. Não pode ficar incubado nos corações,mas deve ser trazido à tona e trabalhado potencialmente pelo SENHOR. Por isso Ele nos deu o Espírito Santo, que convence “as pessoas do mundo de que elas tem uma ideia errada a respeito do pecado, e do que é direito e justo, e também do julgamento de Deus” (João 16.8-NTLH).

O mundo respeita Cristo de acordo com o testemunho da Igreja. Mas a Igreja só irá para a Glória com Cristo se houver santidade (Hebreus 12.14).

Que o SENHOR nos chame a um particular e exponha nosso estilo de vida à luz da Sua Palavra. Que Ele nos mostre sempre tudo o que temos feito.

E que sejam imagens cada vez mais agradáveis de se ver.



* Todas as referências bíblicas utilizadas nesse texto foram extraídas da Bíblia na Nova Versão Internacional (NVI), salvas as exceções devidamente identificadas.