sábado, 25 de dezembro de 2010

O NATAL DE TODOS OS DIAS




Não tínhamos como pagar por um presente tão caro como Jesus. E este presente o Senhor Deus Pai nos deu. Não nos vendeu. Não trocou conosco. Ele nos deu. Dado. De graça.

Na verdade, Jesus é mais que um presente. É solução, é providência, é favor, é a realização de nossos maiores sonhos e a sanação de nossas maiores necessidades. É bênção, é salvação. É algo além da nossa compreensão e mais importante do que tudo o que podemos imaginar.

E é de graça!

Nós não merecíamos esse favor tão glorioso. Não merecíamos Sua salvação e nem a alegria e a Paz que Ele nos dá. Não merecíamos os favores, as misericórdias e a bondade com que Ele ainda nos presenteia a cada manhã. Seu cuidado e Seu amor são excepcionais. E nós continuamos não os merecendo.

Contudo, nós cobramos das pessoas para fazermos o mesmo por elas.

Para perdoar, cobramos perdão.
Para dar, queremos algo em troca.
Para sermos amigos, exigimos amizade.
Só sorrimos para quem sorri para nós.
Só dizemos coisas boas de quem diz coisas boas a nosso respeito.
Só respeitamos quem nos respeita.
Só queremos amar quem nos ama.
Só damos carona em nossos carros ou convidamos para entrar em nossas casas aquelas pessoas que nos são agradáveis, que concordam com nossas ideias e que agem como nós agimos.

Mas nós recebemos tudo isso do Senhor através de Jesus, e recebemos de graça.

Fomos perdoados, sendo Seus ofensores.
Fomos chamados Seus amigos, mesmo sendo Seus inimigos por causa do pecado.

Recebemos Seu sorriso, Seu afago gentil, mesmo quando choramos, quando duvidamos dEle, quando estamos vazios e não temos nada de bom a Lhe oferecer – nem mesmo uma adoração ou uma oração sincera.

Mesmo sendo quem somos, O Senhor pensou coisas boas a nosso respeito. Pensou num futuro de glória eterna com Ele. Pensou na nossa libertação e transformação. Pensou cuidadosamente em como nos abençoar e investiu muito pesado nisso.

Ele nos respeitou acima de tudo, mesmo sabendo que jamais fomos dignos.

Ele nos amou como ninguém jamais o fez, e Se deu por nós como ninguém jamais cogitou.

Ele nos deu o Céu por herança, Se dispôs a participar de cada instante das nossas vidas, passando por cima de todas as nossas diferenças e de toda a nossa incredulidade.

É por isso que o Natal não pode ser para nós apenas uma festa de fim de ano, um momento reservado para o dia 25 de dezembro. O Natal deve ser constante, permanente a cada dia, a cada segundo. Temos que dar Jesus às pessoas que passam pelas nossas vidas, seja em uma conversa com a balconista da padaria, quando podemos presenteá-la com Jesus através da gentileza que Ele nos ensinou a ter, seja estendendo a mão para o faminto, para o descalço, para o enfermo...

Em toda a nossa maneira de viver nós podemos presentear as pessoas lhes apresentando Jesus através das nossas atitudes, das nossas vidas.

Não precisamos pensar naquela trabalheira de tentar embrulharmos Jesus em papel de presente, como se Ele fosse inalcançável. Basta abrirmos nossos corações e dispormos nossas mãos a compartilharem de graça com o mundo o que de graça nós recebemos de Deus.

Cristo em nós, a esperança da glória de Deus! (Colossenses 1.27)

Se o Natal é o aniversário do Salvador, creio que o Aniversariante Se sentirá muito honrado e feliz em ver que aprendemos o que Ele nos ensinou e em receber de nós esse presente: os nossos corações sempre dispostos a amar e se doar todos os dias, exatamente como Ele fez e continua fazendo por nós.

Creio que é por isso mesmo que a Bíblia não nos contou qual foi a data do nascimento de Cristo. Esse nascimento tem que ocorrer todos os dias em nossas vidas e trazer a glória de Deus ao mundo.