sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Colunas descobertas

A Bíblia em um ano:
Êxodo 34-35
Mateus 22.23-46


“Mas o Anjo lhe disse: ‘Não tenha medo, Zacarias, pois Deus ouviu a sua oração! A sua esposa vai ter um filho, e você porá nele o nome de João. O nascimento dele vai trazer alegria e felicidade para você e para muita gente, pois para o Senhor Deus ele será um grande homem. Ele não deverá beber vinho nem cerveja. Ele será cheio do Espírito Santo desde o nascimento e levará muitos israelitas ao Senhor, o Deus de Israel. Ele será mandado por Deus como mensageiro e será forte e poderoso como o profeta Elias. Ele fará com que pais e filhos façam as pazes e que os desobedientes voltem a andar no caminho direito. E conseguirá preparar o povo de Israel para a vinda do Senhor.”
Lucas 1.13-17


O nascimento de um profeta ou de uma profetiza é sempre um grande acontecimento para a humanidade. Esses homens e mulheres já, desde muito pequenos, fazem a diferença por onde passam e vivem em constante crescimento espiritual.

Mas o profeta de Deus não se limita a pregar a Palavra de Deus. A sua missão vai além, bem além. Cheio do Espírito Santo, o verdadeiro profeta de Deus, ainda que solitário em sua caminhada, leva muitas e muitas pessoas ao Senhor. Ainda que sozinho, é forte como foi o profeta Elias e não teme o homem (Salmos 118.6). Ainda que distante da sua própria família – não por negligência, mas em nome do seu compromisso com o Reino – eles reconciliam pais e filhos e ajudam a restaurar muitos lares. Esses homens e mulheres de Deus pagam um preço muito alto, levam uma cruz pesada e trilham por um caminho árduo de renúncias, provações e privações, de forma a resgatar pessoas desobedientes, desviadas, distantes, de volta ao caminho direito.

Mas isso tudo com uma visão maior: em todas essas coisas, a essência é preparar o caminho para a vinda do Senhor Jesus Cristo; é ajudar pessoas a estarem prontas para serem recebidas por Ele quando em glória o Senhor voltar.

Infelizmente, os poucos profetas que restam sobre a terra estão sofrendo mais do que nunca, pois estão praticamente desamparados das orações dos seus irmãos da fé. Estes têm se voltado a buscar a Deus por causa de seus próprios interesses, de bênçãos, de vitórias, da resolução dos seus problemas pessoais, de conquistas terrenas. Poucos, raros clamores têm sido levantados em favor dos homens e mulheres que pagam um preço na terra pela Igreja do Senhor. As colunas do templo estão descobertas!

Nesses últimos meses tomei conhecimento de vários casos de pastores e obreiros amigos meus, gente íntima de Deus, que teve seus casamentos destruídos por causa de adultério dos seus cônjuges. Outros, como Davi, cederam às tentações da carne e agora estão em terríveis situações. E tudo o que tenho visto o povo crente fazer é lhes apontar, acusar, criticar, comentar, julgar e condenar. A mesma mão que lhes aplaudiu quando esses profetas foram usados pelo Senhor para lhes abençoar, agora lhes apontam e empurram de uma vez para dentro do buraco. Voltam-lhes as costas e lhes concedem impiedoso desprezo.

Uma lástima!

Contudo isso, os poucos profetas que ainda restam sobre a terra, estão sustentando a igreja do Senhor. Estão ainda crendo e vivendo nessa fé que o Senhor Deus é forte para não permitir que as portas do inferno prevaleçam contra ela, apesar de toda essa hipocrisia que tem impregnado os corações da grande maioria dos cristãos – e principalmente dos seus líderes.

Esses homens e mulheres de Deus continuam amando com o amor de Cristo e servindo com a Graça de Deus. Continuam intercedendo e ensinando, aconselhando e conduzindo. Continuam focalizados em sua missão de preparar vidas para se encontrarem com Jesus.

Seus olhos, inchados de chorar pelas causas dos irmãos, vêem com profunda tristeza muitos soldados desertando, outros agonizando atrás das trincheiras até morrem à míngua, e outros ainda se rendendo ao exército inimigo. Mesmo assim, seus ombros cansados ainda têm forças para ajudar outros soldados feridos pelo caminho até um lugar seguro, enquanto, com o outro braço, seguram suas armas de guerra e prosseguem na sua árdua batalha de cada dia.

Quando paramos para pensar na situação dos profetas do Senhor – e não estamos falando aqui de animadores de auditório, de mercenários da fé, mas de gente que anda como Cristo (1João 2.6) – sentimos uma dor profunda na alma, porque temos visto satanás trabalhando sagazmente para derrubar essas colunas. Ele sabe que destruindo uma dessas colunas, uma congregação inteira pode desmoronar também.

Portanto, em suas orações, cubra os profetas do Senhor de orações. Volte a orar por eles mesmo que você não os conheça. Voltemos a fortalecer as colunas do templo do Senhor na terra pela nossa intercessão. Eles são poucos sobre a terra e precisam muito de nossas orações.

Ore também para que o Senhor forme e erga mais profetas fiéis, pois mesmo sendo poucos, a verdadeira Igreja de Cristo até hoje não parou sobre a terra e nem jamais deixou de impor a luz do Evangelho às trevas do mundo. Imagine só quão maior seria essa obra se houvesse muito mais desses homens e mulheres cheios do Espírito Santo marchando por aí...


Oremos:
Meu Deus, quão difícil tem sido a vida dos Teus santos, e principalmente dos Teus profetas neste mundo mau! Senhor, nós precisamos urgentemente de um derramar do Teu Espírito Santo sobre a Tua Igreja, trazendo não o movimento do corpo mas a transformação real do espírito, pois temos desviado nosso foco da salvação, temos esquecido da volta de Cristo e temos sido negligentes em cuidar uns dos outros, principalmente no tocante àqueles que estão na linha de frente da batalha contra o mal. Os valentes estão sem o amparo da retaguarda, e estão desamparados porque a atenção do povo tem sido voltada para as coisas materiais e pessoais, não para o coletivo e ainda menos para o celestial. No nome de Jesus, perdoa-nos pelo relaxo espiritual em que a maioria dos cristãos se encontra hoje. Liberta-nos, fortalece-nos, restaura-nos a visão e a motivação, no nome precioso de Jesus Cristo, e levanta mais profetas sobre a terra, pois nós precisamos deles. Amém e Amém.