quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Comunicação e alimento

A Bíblia em um ano:
Levíticos 21-22
Mateus 28


“Estejam na sua garganta os altos louvores de Deus, e espada de dois fios nas suas mãos.”
Salmos 149.6


Numa guerra, as primeiras táticas para vencer o inimigo são cortar os meios de comunicação e os canais de abastecimento. Isolar o exército adversário dos meios de comunicação é a forma de não permitir que ele receba ajuda, seja ela de que origem for. E cortando o fornecimento de alimentos, a nação oprimida fica enfraquecida e, portanto, pressionada a ceder às imposições de seu inimigo, para que, por ele, seja dominada.

É interessante observar como o mal atua em nossas vidas para nos distanciar de Deus, sempre que estamos passando por uma dificuldade, seja ela de qual origem for.

A primeira coisa que ele procura fazer é calar a nossa voz e, em seguida, nos desmotivar a freqüentar a igreja e, por tanto, a receber a Palavra de Deus em nossas vidas.

O fato de tentar inibir nossa voz se deve a várias conseqüências por ele visadas:

- Deus habita no meio dos louvores; e Se passamos as lutas louvando a Deus (seja com hinos ou com palavras, mas manifestando expressões de louvor sincero que brota do nosso coração), com certeza Deus estará sempre ao nosso lado, nos ajudando em qualquer situação.

- Deus quer ouvir nossas orações, porque a oração é o único meio que temos para dialogarmos com o Senhor. Sem ela, não podemos contar as nossas necessidades e desejos a quem tudo pode prover para nós.

- Devemos orar uns pelos outros, e ajudar-nos mutuamente, também. Através da comunicação com os irmãos, conseguimos mais apoio espiritual e material para enfrentarmos as lutas e apresentarmos nossas causas diante do Senhor.

- Nossa voz, quando associada a uma vida consagrada a Deus, tem o poder de expulsar demônios e profetizar bênçãos. Se ela está em disparidade com a vida com Deus, o reverso é a conseqüência.

Se nossas vozes se calam sem louvar, sem orar, sem dialogar e sem pronunciar bênçãos por falta de esperança, com certeza a batalha se tornará ainda mais intensa, porque a voz é um canal que nos leva até Deus e traz bênçãos de Deus até nós. Sem que ela seja usada em guerra, nossos esforços serão insignificantes diante das lutas.

Nos desmotivar a freqüentar a Igreja e, em curso, a receber a Palavra de Deus em nossas vidas, deve-se ao fato de ser, a Palavra de Deus, o alimento saudável que nos mantêm em pé e fortalecidos para enfrentar qualquer batalha no nome de Jesus.

Nos isolando dela, o maligno almeja nos alimentar com sua própria comida, podre e contaminada, que nos deixará doentes espiritualmente, a fim de nos manter direcionados e, por tanto, submissos a ele. Obviamente que ele não nos oferecerá algo que tenha aparência má. Mas caprichará no visual de seus pratos, para torná-los atraentes e convidativos – escondendo dentro de si a peçonha mortal que enferma e mata a alma, a saber, a prática do pecado e o não reconhecimento do pecado (Romanos 1.23-32; 2.5-11).

Além disso, sem conhecermos a Palavra de Deus, nos tornamos como a moinha que o vento espalha (Salmo 1) e somos levados por qualquer vento de doutrina (Efésios 4.12-16). Por Ela recebemos todas as instruções necessárias para combatermos o exército inimigo com destreza e sabedoria.

Por isso, independente do tempo e da condição em que estamos, devemos louvar a Deus de forma a alcançar as alturas com a sinceridade e expressividade do nosso louvor (2Crônicas 20.17-20; Atos 16.25-26), e nos apegarmos à Palavra de Deus, que nos instrui, alimenta e fortalece, para que não sejamos envergonhados diante de nossos inimigos (Hebreus 4.12; 2Timóteo 2.15).

Na batalha contra o mal, vencerá o soldado que lutar com louvor sincero nos lábios e a Espada flamejante que é a Palavra de Deus em suas mãos, porque este soldado faz parte do exército onde Jesus Cristo é o General.