sábado, 12 de fevereiro de 2011

Prata refinada

A Bíblia em um ano:
Levíticos 11-13
Mateus 26.1-50


“Purifique a prata, e o artista poderá fazer uma obra de arte.”
Provérbios 25.4


A prata, em seu estado bruto, é difícil de manusear, primeiro pelas impurezas, segundo pela falta de liga. Embora ela seja um dos elementos químicos metálicos mais maleáveis e de melhor condutibilidade, em seu estado natural é um dos mais impuros que há.

Para ser utilizada, transformada em lindos objetos, precisa tornar-se brilhante, limpa e bela. E para isso, precisa ser submetida a elevadas temperaturas. A escória – o conjunto de resíduos resultante da fusão de metais ou da redução de minérios [no caso da prata é o ferro, o carbono, o chumbo e o bronze] – forma uma mistura de pouca consistência e de péssimo aspecto estético, não tendo, portanto, nenhum valor para a ourivesaria.

O homem é como a prata bruta, cheio de impurezas e escórias. O pecado embrutece o coração do homem e cega-lhe o entendimento acerca da soberania e da perfeição de Deus. Em Provérbios 17.3 a Bíblia diz que “o crisol é para a prata, e o forno para o ouro; mas o Senhor é que prova os corações.”

Deus conhece o estado pecaminoso de cada um de nós, examina pessoalmente cada uma das impurezas em nossos corações, e por isso leva o homem às altíssimas temperaturas da aflição, das provações, das batalhas espirituais, de modo a submetê-lo ao processo de purificação dentro da fornalha que é a cruz de Jesus, pela qual será retirada toda a escória do pecado do homem. Na morte de Cristo o pecador também morre para o pecado, “...sabendo isto, que o nosso homem velho foi crucificado com Ele, para que o corpo do pecado fosse desfeito, a fim de não servirmos mais ao pecado. Pois quem está morto está justificado do pecado.” (Romanos 6.6-7)

Portanto, glorifique ao Senhor se Ele está a te polir, a tratar com sua alma e purificando você das impurezas. Mais do que ninguém, Ele enxergou a beleza e a utilidade da sua alma mesmo com tantas impurezas e imperfeições, e agora deseja fazer de você uma obra de arte de altíssimo valor.