domingo, 6 de março de 2011

Todo amor e aceitação

A Bíblia em um ano:
Números 34-36
Marcos 9.30-50


“Pela terceira vez ele [Pilatos] lhes falou: "Por quê? Que crime este homem cometeu? Não encontrei nele nada digno de morte. Vou mandar castigá-lo e depois o soltarei". Eles [o povo], porém, pediam insistentemente, com fortes gritos, que ele fosse crucificado; e a gritaria prevaleceu. Então Pilatos decidiu fazer a vontade deles. Libertou o homem que havia sido lançado na prisão por insurreição e assassinato, aquele que eles haviam pedido, e entregou Jesus à vontade deles.”
Lucas 23.22-25



Você já se sentiu alguma vez como uma peteca nas mãos das pessoas, e até do próprio diabo?

Eu já.

Jogada de um lado para outro, de uma amizade para outra, procurando alguém que me fizesse sentir-me amada pelo menos uma vez... Muitas pessoas já me fizeram sentir desprezada, rejeitada. Concordar com todos, satisfazer pessoas, forçar amizades era a alternativa que eu pensava ser ideal para que fosse aceita por alguém. Mas logo na primeira oportunidade todos demonstravam que qualquer pessoa ou coisa para eles parecia mais importante do que eu.

Creio que no momento em que Jesus foi trocado por Barrabás, o mesmo sentimento de desprezo tenha se passado em Seu coração. Mas uma diferença muito grande existe entre nós: Ele é o Senhor e eu, apenas serva.

Por causa dessa diferença, Ele enfrentou a rejeição, o desprezo, a solidão de cabeça erguida, sem temer e sem sucumbir. Ele sabia que precisava passar por aquilo tudo para desbravar o caminho da cruz. Esse caminho deveria estar aberto para que eu também pudesse passar quando chegasse a minha vez. Eu não poderia fazer o que Jesus fez, mas deveria me aproveitar da oportunidade que Ele criou para mim quando venceu todo esse mal sem murmurar contra Deus e sem reclamar da Sua sorte.

Além do mais, se os corações malvados das pessoas foram capazes de trocar o Santo Jesus por um pecador desprezível, por que não trocariam a mim, que sou tão impura quanto elas?

O fato é que agora que Jesus já foi entregue uma vez à vontade dos homens e fizeram com Ele o que bem entenderam, estou livre de passar por isso também. Passo pelo calvário, sou crucificada como Cristo, morro para o mundo mas vivo para Deus. Mas a diferença é que quem está me conduzindo por todo esse processo é o Senhor e não os homens.

Das mãos dos homens escapei porque Cristo Se entregou por mim. Posso até ser rejeitada por eles mas não destruída. A Graça do Senhor me ampara e me ajuda a permanecer no Seu propósito. Sua presença – a mesma que fez Jesus vencer a morte e ressuscitar em glória e majestade ao terceiro dia – me abraça e demonstra todo amor e aceitação que preciso.

Jesus Se dispôs a ser desprezado para expressar o quanto Ele mesmo nos prezava. E até hoje, quando recebemos desprezo de todos ao nosso redor, a cruz é o referencial que nos lembra quanto amor incondicional e permanente Deus tem nos oferecido.

Se ainda nos frustramos por não sermos aceitos, se ainda esperamos reconhecimento e amparo das pessoas, é porque não conhecemos o amor de Deus que está em Cristo Jesus.

Superar toda rejeição é possível. Jesus é a solução para isso.