sábado, 23 de abril de 2011

Ao contrário, mais leve...

A Bíblia em um ano:
2 Samuel 13-17
Lucas 17


“Bel se inclina, Nebo se abaixa; os seus ídolos são levados por animais de carga. As imagens que são levadas por aí, são pesadas, um fardo para os exaustos. Juntos eles se abaixam e se inclinam; incapazes de salvar o fardo, eles mesmos vão para o cativeiro. "Escute-me, ó casa de Jacó, todos vocês que restam da nação de Israel, vocês a quem tenho sustentado desde que foram concebidos, e que tenho carregado desde o seu nascimento. Mesmo na sua velhice, quando tiverem cabelos brancos, sou Eu aquele, aquele que os susterá. Eu os fiz e Eu os levarei; Eu os susterei e Eu os salvarei”.”
Isaías 46.1-4


O dicionário Aurélio da Língua Portuguesa define o ídolo como “1. Estátua ou simples objeto cultuado como deus ou deusa. 2. Objeto em que se julga habitar um espírito, e por isso venerado. 3. Pessoa a quem se tributa respeito ou afeto excessivos.”[*] O dicionário Priberam, embora tenha menos definições para o termo, expande ainda mais a sua abrangência: Nele, o ídolo trata-se de “1. Imagem de falsa divindade que é objeto de culto. 2. Objeto de grande paixão.” [**]

Em todas as definições lemos de conceitos que inevitavelmente se tornam um problema danoso entre o homem e Deus. É que os ídolos ocupam no coração do homem o lugar do trono, da adoração, do domínio que deveriam ser somente do Senhor. E isso não se trata – como já explicamos em muitas outras mensagens – apenas de pessoas, mas também de qualquer “objeto de grande paixão” [**].

A respeito dessa ocupação indevida que os ídolos causam nos corações de muitas pessoas, o Senhor Deus lembra quão pesado se torna o fardo delas. Além de tudo o que a vida já lhe preparou, ainda há o peso dos ídolos, que não permitem o homem ver Deus mais de perto, não lhe dão liberdade de acesso direto ao Trono da Graça, não lhes respondem nem enxergam suas condições e necessidades. Os ídolos, de fato, pesam.

O Senhor, porém, promete [e demonstra] que mesmo que fiquemos velhos e cansados, Ele é que nos sustentará. Ele é quem nos servirá de andor e nos levará pelos Seus caminhos. Ao contrário de mais peso para nossas vidas frágeis e debilitadas, o Senhor nos oferece diminuir o peso que já temos e trocar o fardo que temos hoje por outro mais leve (Mateus 11.28-30; Isaías 10.27).

E Ele o faz porque Ele é bom e a Sua misericórdia dura para sempre (Salmos 106.1).

Saber que o Senhor quer o nosso bem, receber Suas promessas, caminhar na Paz e na Luz que Dele provêm, faz toda diferença. Faz-nos mais alegres e faz-nos mais tranqüilos em saber que jamais estaremos desamparados. Faz-nos mais firmes diante das adversidades. Faz-nos confiantes que estamos no caminho certo. E faz-nos imensamente gratos, por experimentarmos a bondade do Deus que nos chama de filhos.


________________________
(*) FERREIRA. Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário da Língua Portuguesa. 4ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. Pág. 371.
(**) Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Disponível em http://www.priberam.pt/dlpo/default.aspx?pal=ídolo. 23 abr 2011.