quinta-feira, 14 de abril de 2011

Apenas um toque

A Bíblia em um ano:
1 Samuel 22-26
Lucas 12


“[...] Estando Jesus a caminho [da casa de Jairo], a multidão O comprimia. E estava li certa mulher que havia doze anos vinha sofrendo de hemorragia e gastara tudo o que tinha com os médicos; mas ninguém pudera curá-la. Ela chegou por trás dEle, tocou na borda de Seu manto, e imediatamente cessou sua hemorragia. ‘Quem tocou em Mim?’, perguntou Jesus. Como todos negassem, Pedro disse: ‘Mestre, a multidão se aglomera e Te comprime’. Mas Jesus disse: ‘Alguém tocou em Mim; Eu sei que de Mim saiu poder’.”
Lucas 8.42-46

Era uma multidão que espremia Jesus por todos os lados mas não conseguia extrair nada dEle porque apenas queria chamar-Lhe a atenção para seus problemas. Não havia fé nem sinceridade em seus corações.

Mas o toque de alguém tão subjugado por aquelas mesmas pessoas que comprimiam o Mestre – um sutil toque de alguém que era excluído do convívio social simplesmente fez Jesus parar e procurar até encontrar esse alguém que despertou total interesse do Senhor.

Incrível como Deus preza pela humildade das pessoas, não? Quantas vezes você já pensou que dar altos dízimos, liderar um grande departamento, ter um nome em evidência no meio evangélico fosse uma maneira de mostrar a Deus o quanto você é importante para o Reino? Será que Deus Se impressiona com nossas grandes obras, com as muitas ajudas que prestamos aos necessitados, ou com os grandes feitos que realizamos em Seu nome? Honestamente, se não houver sinceridade e amor, se não houver a intenção de glorificar primeiramente a Deus, na verdade, tudo isso não passa de sacrifício de tolo.

É preferível jamais ser conhecido entre os homens mas honrar a Deus em toda nossa maneira simples de ser do que ser grande entre eles e não ter a aprovação do Senhor por causa da incredulidade, da dureza e da altivez dos nossos corações.

Tantas pessoas juntas não fizeram por horas o que uma única mulher fez em segundos. É porque todas aquelas pessoas não tinham fé nem humildade para se achegarem a Jesus. Gritos, histeria, empurrões, apertos... Era ali que Jesus estava e nada disso Lhe atraiu. Um toque por detrás, na barra da Sua veste, de alguém calado e desapercebido no meio da multidão. Foi isso que alcançou o coração de Deus.

Multidões em frente a plataformas não chamam tanto a atenção de Deus se elas não tiverem o mesmo quebrantamento com que um servo ora solitário ao Senhor no oculto do seu quarto. Fazer coisas para encher os olhos das pessoas e receber seus elogios não atrai os olhos do Deus que Se comove com corações contritos, sinceros e derramados diante dEle. O louvor dessas pessoas vem de Deus e não se extingue quando a vida aqui cessar.

Não é que devamos nos reduzir a fazer coisas mínimas pelo Senhor e por Seu Reino em nome da nossa pequenez. Mas tudo o que fizermos deve ser mesmo feito para Ele e por Ele, deixando que - se quiser e pensar que deve - Ele mesmo nos exalte, da maneira certa e em tempo oportuno.