quarta-feira, 6 de abril de 2011

Falando em Silêncio

A Bíblia em um ano:
1 Samuel 4-6
Lucas 9.1-17

"E sucedeu que, perseverando ela [Ana] em orar perante o Senhor, Eli observou a sua boca. Porquanto Ana no seu coração falava; só se moviam os seus lábios, porém não se ouvia a sua voz; pelo que Eli a teve por embriagada."
1Samuel 1.12-13

Como é curioso observar a forma como o ser humano vê e julga o seu próximo! Ana foi tida por Eli, o sacerdote, como embriagada, porque sua oração não estava fazendo tanto barulho quando "deveria" (sob a ótica humana).

Quantas pessoas hoje são tidas como "carnais" dentro dos templos pelo simples fato de não orarem nem glorificarem a Deus com gritos nem com danças e pulos em "mistérios"! Acontece que a Bíblia (palavra infalível de Deus) nos dá respaldos profundos pra que possamos buscar a Deus com "barulho" e em calmaria também:

1) Deus não vê como o homem vê - Ele atenta principalmente para o coração e sua intenção (1Samuel 16.7);

2) Há momentos de se orar com voz alta, no meio da congregação, e tempos para se orar em silêncio, somente diante de Deus, pois há um tempo para prantear e tempo para saltar (Eclesiastes 3.1-8);

3) Muito barulho não significa que a oração esteja sendo eficaz - Deus opera com grandes estrondos mas também com pequeninas nuvens (1Reis 18.43-46);

4) Há orações que somente cabem ao Senhor ouvir, pois o diabo pode utilizar-se de nossas palavras para impedir que recebamos as bênçãos do Senhor - a onisciência é um atributo exclusivo de Deus e, por isso, nem sempre devemos orar em voz alta, certos que Deus ouvirá e entenderá, e o diabo não... (Mateus 6.6);

5) O muito falar nem sempre é recebido por Deus como uma oração sincera - muitas vezes um gemido exprime muito mais sobre nossos sentimentos e intenções (Mateus 6.5,7).

Conclusão: Deus contempla a oração sincera de um justo e, independente do nível de voz em que é entoada, tenha certeza que ela pode muito em seus efeito! (Tiago 4.16)