quinta-feira, 7 de abril de 2011

QUEM AMA AJUDA, JAMAIS ATRAPALHA!

A Bíblia em um ano:
1 Samuel 7-9
Lucas 9.18-36

“Como o natural, entre vós, será o estrangeiro que peregrina convosco; amá-lo-eis como a vós mesmos, pois estrangeiros fostes na terra do Egito. Eu sou o Senhor vosso Deus.”
Levíticos 19.34


Há quem despreze pessoas que não pertençam à sua denominação religiosa. Há, também, quem despreze pessoas ímpias, embora aquelas tenham um passado bem próximo ao destas. Há, ainda, pessoas chamadas para uma separação diante de Deus, que se envolvem com práticas mundanas sob o pretexto de amar seus semelhantes e ter que conviver em harmonia com eles.

Deus escolheu um povo sobre a face da terra para ser um modelo a ser seguido.

Observemos que Deus anunciava pelo verso que lemos que o Seu povo deveria ser um modelo, um exemplo, uma influência que convenceria outros povos a se integrarem a ele.

Os estrangeiros (povos que desconhecem o Senhor), deveriam ver tanta beleza e diferença no povo eleito que deveria se sentir atraída por ela, desejosa de ser como ela... Ela deveria ser bem-vinda entre os filhos de Deus e se tornaria como um natural de Israel.

Israel, porém, se corrompeu, por seus pecados. E, ao invés de ser um referencial para conquistar outras pessoas para o Senhor, deixou-se influenciar pelo mal e se deformou. O reverso foi a triste realidade.

O amor que o Senhor os ordenou a ter pelos estrangeiros (hoje, pelas pessoas que não conhecem o Evangelho), deveria levar o povo de Deus a acolher essas pessoas e lhes ensinar a maneira correta de se viver no caminho da salvação. E não se tornar um pretexto para se misturar e ser confundido com os ímpios.

O Senhor ainda nos diz hoje (a nós, atual Israel de Deus), que devemos amar nossos semelhantes e procurar ajudá-los a viver na prática da santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor (Hebreus 12.14). Ele nos faz lembrar que também estivemos alheios ao Evangelho, mas que um dia fomos resgatados por Cristo por meio de Seu sangue para uma nova vida sob a direção de Deus (Efésios 2.12-18). E nos exorta a repartir com eles as bênçãos da salvação, isto é, ensinar-lhes o caminho da graça porque nós também recebemos tamanha graça... e, quem ama, reparte tudo o que tem com prazer.

Um cristão que ama o seu semelhante, ao invés de se envolver no mundo dele e reforçar sua permanência por lá, serve-lhe como referencial e ajuda para que os perdidos também tenham uma vida transformada e vitoriosa assinada pela presença de Cristo.