quinta-feira, 26 de maio de 2011

O abraço do Senhor

A Bíblia em um ano:
1Crônicas 28-29
João 9.24-41

“Não tenha medo; você não sofrerá vergonha. Não tema o constrangimento; você não será humilhada. Você esquecerá a vergonha de sua juventude e não se lembrará mais da humilhação de sua viuvez.Pois o seu Criador é o seu marido, o Senhor dos Exércitos é o seu nome, o Santo de Israel é seu Redentor; ele é chamado o Deus de toda a terra.O Senhor chamará você de volta como se você fosse uma mulher abandonada e aflita de espírito, uma mulher que se casou nova, apenas para ser rejeitada", diz o seu Deus.”
Isaías 54.4-6

Depois que deram um nome inglês pra coisa, as autoridades e os estudiosos da área passaram a dar uma atenção maior para o bulling que, na verdade, sempre existiu no mundo inteiro e em todos os tempos com o nome de “preconceito”.

Eu sofri (e ainda sofro, agora por outros motivos) uma discriminação enorme por causa do meu tamanho, avantajado tanto para cima quanto para os lados. Da infância à juventude eu enfrentei um sério problema para encontrar roupas e sapatos que coubessem em mim, por causa da minha altura e peso. Parece que as empresas fabricantes de roupas e calçados não sabiam da existência de mulheres altas, e era praticamente impossível encontrar o que me vestisse e calçasse direito nas seções femininas. A seção masculina era sempre a alternativa mais viável para diminuir o drama dessa novela.

Apelidos a meu respeito eram uma constante no meu dia-a-dia. Coisas do tipo: “girafa”, “a que usa calças de pegar marreco”, “gigante”, “tribufu”, “pilulona” (de onde saiu isso?), “a que tem pranchas em vez de pés”, e outras coisas do gênero. Não obstante, o peso também contribuiu para aumentar minha coleção de nomes extras: “baleia”, “botijão”, “pamonha”, “colchão amarrado”, “cara de lua cheia”, “rolo compressor”, “elefanta”, “hipopótamo”, e por aí vai...

Convivi com esses “incentivadores ao desespero” por muito tempo. E de fato sempre fui muito oprimida por causa disso. E não só pelas palavras ofensivas, mas principalmente pelas atitudes associadas a elas. Com a importunação por de eu ter uma altura acima da média para as mulheres foi mais fácil lidar, mas o maior problema era o excesso de peso, pelo que sempre me excluíram do convívio social. O desprezo a esse respeito eu recebi de todos ao meu redor, desde atitudes da minha mãe para comigo até as pessoas que ficavam em pé no ônibus para não se sentarem no banco vazio ao meu lado. Eu sei bem – experimentei pessoalmente, na minha própria pele – o que é ser desprezado e humilhado por causa de certas características em mim.

Por isso, quando leio a Bíblia, principalmente palavras como a de Isaías 54, sinto-me tão cheia de Paz e ânimo novo. O Senhor que me criou jamais me desprezou por eu ser a mais alta do grupo ou a mais gorda. Ele nunca deu um jeito de sair da rodinha de amigos que conversavam à porta da Igreja quando eu chegava. Ele nunca me deixou falando sozinha nem me deixou fora de um grupo de trabalho de pesquisas na escola. Ele nunca sentou-Se propositalmente para escolher ou inventar nomes que me expusessem ao ridículo, que me humilhassem publicamente, que me diminuíssem diante das outras pessoas, que desconsiderasse meu valor humano, que me desmotivasse a querer fazer algo (e até a viver). E Ele jamais os escreveu nas portas dos banheiros ou em bilhetinhos arrogantes e preconceituosos colocados intencionalmente nas minhas coisas.

O Seu amor por nós é tão grande, que Ele jamais faria algo parecido com ninguém, seja qual for o seu defeito físico ou espiritual, principalmente com alguém que procure Sua amizade e companhia. Ao contrário, ao desamparado, desprezado e triste de espírito, o Senhor chama, e com amor acolhedor e sincero lhe recebe, porque Ele Se compadece de nosso estado e dá novo rumo às nossas vidas.

Nem mesmo as tantas impurezas das nossas almas, o fedor repugnante do pecado em nós é capaz de afastar a presença do Senhor. Nós é que nos afastamos voluntariamente dEle, por diversos motivos. Mas a palavra e as atitudes do Senhor ao longo dos séculos demonstram que o Seu interesse por nós continua sendo o mesmo. Ele está disposto a nos recolher e mudar nossas histórias, seja lá qual for nosso problema ou característica. Em Deus há sempre um renovo e uma nova esperança.

Eu superei os traumas do passado excluso que tive, e em Cristo hoje tenho uma Paz que excede todo entendimento. Foi na presença dEle que encontrei o amor e os cuidados que sempre precisei. E é por isso que me empenho em falar desse amor transformador ao mundo.

Eu sou prova que ele é real e trouxe novo sentido à minha vida. Se você quiser, pode fazer o mesmo pela sua.

Receba, portanto, o abraço do Senhor neste dia...

E sinta-se verdadeiramente amado(a)!

"Senhor, abrace essa pessoa que lê esse pensamento hoje, e cure os traumas, as feridas da sua alma, para que ela seja verdadeiramente sarada e cheia da Tua Paz. Mostra Teu grande amor acolhedor e transforme a cada dia esse coração carente de Ti. Oro em nome de Cristo Jesus, que já começou a boa obra em mim também. Amém."