sábado, 11 de junho de 2011

Contrariando opiniões

A Bíblia em um ano:
2Crônicas 34-36
João 19.23-42

“E havia grande murmuração entre a multidão a respeito dEle [Jesus]. Diziam alguns: Ele é bom. E outros diziam: Não, antes engana o povo. Todavia, ninguém falava dEle abertamente, por medo dos judeus.”
João 7.12-13


Quando Jesus andou fazendo milagres e pregando o Evangelho do Reino na Judéia, já havia, como hoje, pessoas que O aceitavam e outras que não acreditavam nEle.

Por algum tempo, as multidões a quem Ele curou e libertou, Lhe apoiavam, Lhe defendiam. Por vezes o Novo Testamento relata que os que O procuravam para matar não o fizeram por medo dos judeus.

A crescente libertinagem pelo mundo a fora e a diminuição da autoridade da Igreja têm sido duas realidades tristes e vergonhosas para os homens, principalmente para os cristãos, que possuem padrões bíblicos de vida (baseados na ética, pela moral, pelo respeito, pelo amor e na justiça de Deus) e que, muitas vezes, encontram-se envolvidos em escândalos dos mais variados seguimentos.

E isso tem atingido diretamente a pessoa de Jesus Cristo. É extremamente comum e fácil encontrarmos charges, imagens, músicas, mensagens, poemas, frases e muitos outros que denigrem a imagem de nosso Senhor, expostos nos mais diversos lugares e anunciados por todos os meios de comunicação.

Embora saibamos que todas essas pessoas que se dispõem a tais atos estão debaixo do juízo do próprio Deus e são sérios candidatos a viverem eternamente sem Deus – caso não haja arrependimento – verificamos que somos o atual Israel de Deus (João 1.11-12; 1Pedro 2.9-10). Não deveríamos, pois, ter, por Aquele a quem aclamamos “Rei e Senhor” das nossas vidas, esse mesmo sentimento de proteção por Cristo, como os judeus tinham enquanto criam que Ele era o Messias?

Ao contrário, não dificilmente encontramos pessoas crentes participando de piadinhas e até fazendo chacotas com situações onde a pessoa de Cristo está sendo exposta.

Quem ama defende e procura agradar. E se nós amamos a Cristo, o mínimo que podemos e devemos fazer é agradá-Lo com todas as nossas atitudes, demonstrando a Ele que, ainda que o mundo inteiro venha a debochar de Sua maravilhosa pessoa, nós contrariaremos o mundo inteiro e não participaremos da gigantesca roda dos escarnecedores, em respeito e adoração ao Amado das Nossas almas.

Cristãos verdadeiros têm a determinação de tomar decisões radicais, contrariando as opiniões em favor de Deus.