terça-feira, 26 de julho de 2011

No Esconderijo do Altíssimo

A Bíblia em um ano:
Salmos 39-42
Atos 26




A proteção e a provisão de Deus: Quem não as deseja?

As bênçãos do Senhor, verdadeiramente, enchem os olhos e farta a alma dos homens.

Vemos, porém, pessoas interessadas somente nas bênçãos de Deus. Raramente interessadas pela pessoa do próprio Deus.

O salmo acima declara uma maravilhosa bênção que é descansar à sombra do Onipotente. Contudo, é taxativo: tal graça será concedida àquele que “habitar” no esconderijo do Altíssimo... e não àquele que “passar” por lá.

Existem multidões de pessoas que vivem toda a sua vida distantes de Deus, segundo seus propósitos pessoais e sem nenhum direcionamento do Senhor. Muitas delas até falam ou pensam em Deus, mas O reconhecem como um Deus distante, que deve ser invocado quando as dificuldades surgirem ou que deve ser culpado pelas infelicidades que assolam o mundo.

Essas pessoas somente “passam” pelo esconderijo do Altíssimo por um tempo determinado, até que cesse o temporal... até que tudo se resolva.

Tratam o Senhor como um boneco de ventríloquo, que está à disposição do seu dono e deve ser manuseado segundo a vontade deste.

Esquecem-se que Deus está acima de tudo e de todos. E, quando se lembram disso, o fazem nos momentos em que precisam dEle para determinar uma solução favorável em uma situação difícil.

A realidade, porém, é que todos os seres que existem com exceção do próprio Deus são criaturas dEle e, portanto, naturalmente estão sujeitas ao poderio e ao domínio do Senhor Jeová.

Descansar à sombra do Onipotente é um direito reservado àquele que habita no esconderijo do Altíssimo, isto é, àquele que convive com Deus diariamente, que permanece com Ele, no lugar onde Ele está.

Ele está numa esfera espiritual e Se manifesta por meio de Seus filhos na terra material. Deus é Espírito (João 4.24). E os que habitam com Ele também devem viver a espiritualidade, e não a carnalidade. (Colossenses 3.1-3; Gatas 5.24-25)

Viver a espiritualidade, porém, não é algo tão fácil assim. Exige renúncia, exige morrer para o mundo, porque somos dotados de um corpo físico desejoso dos prazeres da carne, e também de um espírito separado de Deus pelo pecado que remonta desde a queda do homem no Éden por meio de Eva e Adão. No decorrer dos anos, distantes de Deus, nossas mentes produziram valores estabelecidos segundo os padrões do mundo e a visão que ele tem, e que julgamos como corretos e, muitas vezes, incontestáveis.

O homem que pretende habitar no esconderijo do Altíssimo deve, primeiramente, buscar o Senhor pelo que Ele é, porque é difícil demais conviver com alguém por toda uma eternidade só por se amar as coisas que essa pessoa tem, sem amá-la primeiramente. Há, no mundo, quem se arrisque a tal aventura, mas vive uma vida completamente frustrada e vazia. E, no final de tudo, volta ao seu estado de solidão e inquietude, de desalento... de insatisfação e incoerência. De plena infelicidade!

Além disso, o próprio Deus não Se submete a tal situação. Ele próprio renuncia a presença de pessoas que O buscam somente por interesses pessoais. Ele busca pessoas que o adorem em espírito e em verdade (João 4.23-24) e ama os que O amam (Provérbios 8.17).

O homem que pretende habitar no esconderijo do Altíssimo também deve se sujeitar às vontades do dono do esconderijo. Quando alguém vai morar com outra pessoa, o mais correto é que ambas entrem num consenso, a fim de estabelecerem uma harmonia na convivência diária de ambas. E a pessoa que está se mudando para a casa de outra é quem mais cede, porque pretende agradar àquela que já tinha uma vida em curso e agora terá que comportar alguém do seu lado diariamente.

Da mesma maneira, Deus está nos admitindo, quando procuramos viver no Seu esconderijo. E, por isso, devemos entender que o Senhor fará Sua parte. Ele dispensará Sua atenção preciosa e magnífica paciência, Seus cuidados e Seu tempo em nosso favor. Ele Se disporá a nos envolver e amparar de todos os lados e em todas as situações, a fim de garantir nosso bem-estar e nossa paz em qualquer circunstância da vida. Mas isso é certeza na vida somente daqueles que firmam com Ele uma aliança e se empenham para que ela não seja quebrada (2Crônicas 15.2b; 24.20b). Ele mesmo afirma: “Porquanto tão encarecidamente Me amou, também Eu o livrarei; pô-lo-ei em retiro alto, porque conheceu o Meu nome. Ele Me invocará, e Eu lhe responderei; estarei com ele na angústia; dela o retirarei, e o glorificarei. Fartá-lo-ei com longura de dias, e lhe mostrarei a Minha salvação.” (Salmos 91.14-16)

Habitar no esconderijo do Altíssimo, significa, portanto, nos sujeitarmos à vontade soberana e perfeita de Deus. E não apenas exigir dEle o que nos é de interesse.

Deus Se recusa a conviver com pessoas que não se sujeitam a Ele, que O ignoram, que O desprezam. Ele não quer e nem precisa da piedade de ninguém. Os homens é que carecem da presença de Deus (Romanos 3.23) e das Suas misericórdias (Lamentações de Jeremias 3.22-23).

Quem quer estar descansando à sombra do Onipotente, livre do pecado, livre da inquietação, preenchido, curado, perdoado, renovado, seguindo um rumo certo em sua vida e desfrutando das provisões e da presença inestimável e insubstituível do Espírito Santo, deve, assim sendo, habitar no esconderijo de Deus. Não, simplesmente, “passar” por lá, quando tiver uma necessidade aparente ou, simplesmente, para dizer que “se lembrou de Deus”. Na verdade, pessoas que vivem dessa maneira, possuem uma necessidade ainda maior que todas e que lhes é desconhecida: é a necessidade do próprio Deus em suas vidas.

Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, o faz porque ama a Deus sobre todas as coisas e se sujeita a Ele porque sabe que somente Ele é perfeito, santo e sábio o suficiente para nos tornar pessoas direitas e abençoadas.

Habita. Não visita. Porque tem prazer em conviver com o mais sublime e amável de todos os seres... E deseja isso para toda a eternidade!

Ninguém está mais seguro do que aquele que está descansando à sombra de Deus.