sábado, 9 de julho de 2011

Sinônimo de alegria e paz

A Bíblia em um ano:
Jó 38-40
Atos 16.1-21


“Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos do refrigério pela presença do Senhor.”
Atos 3.19


A presença de Deus impressiona!

Estamos acostumados a ver Deus Se aproximar trazendo Consigo a força, o poderio, a ousadia, a impetuosidade, a mudança, a revolução.

Toda a Bíblia, da abertura do Gênesis ao encerramento do Apocalipse trata sobre a grandeza e a majestade do Senhor. Nos capítulos 40 a 43 do livro do profeta Isaías temos bons exemplos de relatos mais específicos sobre a soberania, a influência e a veemência do Senhor Jeová.

O livro dos Salmos também trata com clareza sobre a força que há no braço do Senhor e a amplitude das Suas obras. Chega a denunciar que a natureza em peso se comove com a presença de Deus (Salmos: 18.1-19; 77.11-20, entre outros tantos!)

Em um extremo, Deus Se manifesta com poderes e supremacia como nuvens carregadas, sons de trovões, ventos impetuosos, fortes tempestades, tremores, terremotos, causando assim o medo, o temor, o receio, a rendição.

Contudo, é interessante observarmos o que o outro extremo dessa verdade nos diz sobre a presença do Senhor: “venham assim os tempos de refrigério pela presença do Senhor” (Atos 3.19b).

A condição imposta por Deus para que Sua presença seja completamente o contrário de tudo o que significa para pessoas que não O conhecem ou que O desprezam é: arrependimento e conversão.

Pessoas que se arrependem de seus pecados e se convertem ao caminho do Senhor não O enxergam como um Deus destrutivo, impiedoso, bruto e insensível. Ao contrário, entendem, por experiências pessoais com Ele, que Se trata de um Ser amável, gentil, bondoso, amoroso, paciente e longânimo em misericórdia. Um Deus de paz, que Se dispõe a fazer quase tudo por amor àqueles que Lhe amam e obedecem.

No Salmo 23, o salmista Davi chegou a declarar o que Deus fazia consigo por ser ele um servo fiel e temente ao Senhor: “...Deitar-me faz em verdes pastos, guiam-me mansamente a águas tranqüilas. Refrigera a minha alma...” (v.2-3).

Mas essas atitudes de Deus não partiam somente do próprio Deus. Primeiramente Ele Se dispôs a receber Davi caso ele se arrependesse e se convertesse ao Senhor. Davi, então, obedeceu e entregou Sua vida a Deus a tal ponto de ser considerado um homem segundo o coração de Deus (1Samuel: 13.14; 16.1-13). No mesmo Salmo 23 ele declara o segredo de viver em refrigério pela presença de Deus: “O Senhor é o meu pastor” (v.1).

Davi colocou sua vida diante do Senhor como uma ovelhinha é cuidada pelo pastor. Ele era dependente de Deus, ou seja, arrependido por todas as culpas que lhe fossem devidas (desde a queda de Adão, seu primeiro antepassado), até as mais recentes que, por ventura, ele não conhecesse (Salmos 19.12); e convertido aos cuidados do Senhor, à obediência à vontade do Deus que lhe formou desde o ventre materno.

A culpa do pecado não exerce nenhum peso sobre os ombros das vidas que se rendem a Deus, pois o perdão do Senhor já os alcançou e em seus dias impera a paz que excede todo o entendimento. Um bem-estar incomparável ocasionado pela frescura da presença constante do Senhor! (Filipenses 4.7)

Para o mundo, a presença de Deus causa medo, mas para os filhos de Deus, a presença do Senhor é sinônimo de alegria e paz!