sábado, 10 de setembro de 2011

Agentes do bem

A Bíblia em um ano:
Provérbios 8-9
2Coríntios 3


“Pensem nisto, pois: Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz, comete pecado.”
Tiago 4.17


Quem faz do bem uma prática constante em sua vida, tem uma vida cheia de paz e uma consciência tranquila. Ajudar nunca é um sacrifício para quem o faz com amor. É um prazer e uma realização. Uma oportunidade de mostrar Jesus Cristo às pessoas e trazer o Seu Reino ao mundo.

O bem tem sido o motivador de grandes acontecimentos na humanidade, e muitos nomes têm se destacado entre os homens simplesmente por praticarem o dom de fazer o bem. Jesus, Paulo de Tarso, Martinho Lutero, Tereza de Calcutá, Betinho, Nelson Mandela, Mahatma Gandhi, entre outros, não se destacaram por serem pessoas excepcionais em fazer o bem, mas porque escolheram fazer o bem. Eles escolheram fazer o bem em vez de dar vazão ao mal. E eles escolheram não escolher pessoas a quem fazer o bem. Simplesmente o fizeram a todos quantos puderam alcançar.

O mundo sentiu o impacto do serviço de cada um desses nomes, entre tantos outros que podemos citar. E eles deixaram preciosas lições de amor e bondade que superam as diferenças e amparam a todo instante. Pessoas que se doaram. Deixaram de fazer das suas vidas a prioridade para valorizar e priorizar as vidas dos outros como as suas próprias vidas. Eles seguiram o princípio bíblico de “amar ao próximo como a ti mesmo” (Lucas 10.27) e se tornaram referenciais de altruísmo, de doação, de graça.

E a paz e a realização que, consequentemente, enchiam suas almas pelo bem que haviam feito, também os alimentava e motivava a continuar praticando esse bem. Isso, nada mais é, que o amor do Senhor, a fé e a bondade que há no coração de cada ser humano se expressando com atitudes, não somente com palavras.

Infelizmente, a grande maioria de nós prefere alimentar o lado mau, vingativo, justiceiro, egoísta, mesquinho, inescrupuloso, infiel, desonesto da nossa alma. A maioria de nós faz grandes discursos sobre o bem e o amor, mas age pouco para demonstrar que os conhece de perto. Na prática, a maioria – a grande maioria – de nós esmaga a sementinha do amor com o rolo compressor do ódio. Esconde a luz da bondade atrás das espessas cortinas negras do preconceito. Apaga a palavra “nós” com a borracha do individualismo. E cruza os braços e critica quem ama e serve aos seus semelhantes, praticando o bem.

Voltaire corda com o apóstolo Tiago, que “todo homem é culpado por todo bem que não fez”. Portanto, que as motivações da sua vida não façam de você mais um na multidão dos acomodados e mornos espirituais. Que o amor de Deus aqueça seu coração e te induza a fazer o bem sem fazer acepções e sem outro interesse que não o de abençoar.

Você não conseguirá mudar o mundo. Mas poderá mudar o mundo de alguém. E enquanto você faz o bem pelos outros, Deus faz do seu mundo um manancial de paz e realização pessoal.

Mostre que você verdadeiramente é um filho de Deus dando aos outros, em cada um dos seus dias, o amor, a assistência e a bondade que Deus tem derramado sobre você, já desde antes que você soubesse disso.

[Assista o vídeo abaixo e entenda um pouco mais sobre isso...]