sexta-feira, 23 de setembro de 2011

No momento certo...

A Bíblia em um ano:
Eclesiastes 7-9
2Coríntios 13




“Tu dizes: ‘Eu determino o tempo em que julgarei com justiça. Quando treme a terra com todos os seus habitantes, sou Eu que mantenho firmes as suas colunas’.”
Salmos 75.2-3


Imagine a seguinte situação: se você fosse uma pessoa cega, fisicamente falando, e a medicina dissesse que há uma possibilidade muito remota de certo tratamento – uma última alternativa – te ajudar a voltar a enxergar. Porém, trata-se de um tratamento muito caro, financeiramente muito além das suas condições.

Mas e se você soubesse que existe um médico extremamente estudado, mundialmente conhecido, que te oferece tal tratamento gratuitamente, com a condição que você faça todas as coisas conforme Ele te instruir, mesmo que algumas dessas coisas pareçam loucuras. Você o procuraria, ainda que ele estivesse muito distante de você? Quanto você seria capaz de fazer para encontrá-lo? Você lhe daria essa oportunidade de tentar te ajudar a enxergar? Você confiaria nele para ter sua visão restaurada?

Vejo Deus nos dando essa oportunidade todos os dias, todos os instantes. Vejo-O fazendo o trabalho oposto: em vez de nós irmos ao Seu encontro buscar Sua ajuda para que nossos olhos da fé tenham sua visão restaurada, Ele é quem primeiramente nos oferece a Sua cura. E gratuitamente o faz.

Por não enxergarmos com a fé que já existe em nós (Romanos 12.3), comumente nos deixamos levar pelas circunstâncias.

As circunstâncias nos fazem, muitas vezes, julgar nossa causa e nos considerar merecedores de alguma coisa. É nesse ponto que, costumeiramente, “imprensamos Deus” contra a parede e fazemos exigências de todas as maneiras.

Outras vezes, as circunstâncias fazem o contrário: levam-nos a culpar-nos e condenarmos, nós a nós mesmos, a ponto de nunca mais nos perdoarmos.

Mas que padrões de justiça serão os que usamos para nós mesmos? E com quais critérios? Pessoas tão limitadas como nós – que não conseguem ver os próximos cinco minutos das suas vidas e que não enxergam além das aparências – são mesmo capazes de julgar com justiça?

O Divino Médico quer abrir nossos olhos para isso também. Ele quer nos mostrar que nós não temos condições de julgar nossas próprias vidas e circunstâncias. Ele quer nos mostrar que nossas limitações são intensas e nos impedem de ver a glória do sol que vem depois da violenta tempestade; a beleza da primavera que vem depois do rigoroso inverno; a limpeza que fica depois que passa a chuva.

A Pessoa que deseja Se responsabilizar por nós nos diz: “Eu é que determino o tempo em que julgarei com justiça.” Talvez, se Deus nos julgasse hoje, não seríamos absolvidos. Não receberíamos o Seu perdão. Talvez. Pode ser que Ele ainda não tenha visto arrependimento sincero ou entrega plena do nosso ser. Pode ser que ainda falte alguma coisa. E, sabendo disso, Ele ainda esteja nos dando a oportunidade de viver mais um momento propício para buscá-Lo em espírito e em verdade.

E não perca a esperança. O momento certo em que tudo será julgado com reta justiça está próximo. E até lá, o Deus que sustenta firme as colunas da terra e todos os seus habitantes também pode sustentar sua vida.

Apenas aproveite a oportunidade que Ele te dá para segui-Lo hoje com fé. Ele é o Médico que pode restaurar sua visão e te fazer enxergar além de tudo o que se possa ver. Ele é o Justo Juiz que te agraciará com o indulto eterno às suas culpas. Ele é a força que te sustentará até o lugar certo em que você deverá estar.