quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Oferta agradável

A Bíblia em um ano:
Provérbios 21-24
2Coríntios 7




“...porque não oferecerei ao Senhor meu Deus, holocaustos que não me custem nada.”
2Samuel 24.24


Não adiantava insistir. Davi estava decidido a fazer algo caro para Deus!

Há um pensamento que nos leva à seguinte reflexão:

“Não é engraçado, como R$10,00 parecem tanto quando os levamos à Igreja e tão pouco quando vamos ao shopping?

Não é engraçado como uma hora é tão longa quando servimos a Deus, mas tão curta quando assistimos a um jogo de futebol ou nos divertimos?

Não é engraçado como duas horas na Igreja parecem mais longas do que quando assistimos a um filme?

Não é engraçado como não achamos as palavras quando oramos, mas elas estão sempre na ponta da língua para conversarmos com um amigo?

Não é engraçado como ficamos excitados quando um jogo vai para a prorrogação, mas reclamamos quando o sermão dura mais que o normal?

Não é engraçado o quanto achamos cansativo ler um capítulo da Bíblia, mas o quanto é fácil ler todas as notícias sobre as novelas e a vida dos artistas numa revista de fofocas sobre a tv?

Não é engraçado como queremos sempre as cadeiras da frente no teatro ou num show, mas sempre sentamos no fundo da Igreja?

Não é engraçado como precisamos de duas ou três semanas de antecedência para agendar um compromisso na Igreja, mas para outros programas estamos sempre disponíveis?

Não é engraçado como temos dificuldade de aprender a evangelizar, e como é fácil aprender e contar a última fofoca?

Não é engraçado como acreditamos nos jornais, mas questionamos tanto a Bíblia?

Não é engraçado como todo mundo quer ir para o céu desde que não tenha que acreditar, dizer ou fazer nada?

Não é engraçado como mandamos milhares de piadas pelos e-mails que se espalham como um incêndio, mas quando mandamos mensagens sobre o Senhor não reenviamos para ninguém?” (Autoria desconhecida. Adaptações nossas).

Deixar de fazer coisas que nos aprazem para nos envolvermos mais com Deus é uma maneira prática de demonstrarmos nosso interesse por Ele, e não somente pelas bênçãos que Ele pode lançar sobre nós. Quando amamos a Deus sobre todas as coisas e queremos nos empenhar em agradá-Lo, torna-se um prazer deixar de fazer algo que nos agrade para satisfazê-Lo. O nosso prazer é o prazer de Deus.

Davi foi um ungido do Senhor e se prontificou a realizar sacrifícios para o Senhor, pois reconhecia a grandeza e a dignidade do Grande Deus, embora soubesse que nada do que ele conseguisse fazer estaria à altura de Deus.

O sentimento que regava as atitudes de Davi é que chamavam a atenção de Deus. Ele Se sentia atraído a estar com Davi quando este O buscava, pois Deus sabia que Davi não estava Lhe oferecendo sobras do seu tempo, nem dos seus bens, nem da sua atenção. Ele estava selecionando o seu melhor para oferecer ao Senhor.

Isso nos leva a crer que precisamos confrontar nossas motivações a cada dia, e concluir sempre: O que temos entregado realmente ao Senhor? O que tem nos levado a cultuar Deus? Como temos realizado nossos cultos a Deus? E com qual intensidade? (Não falo das reuniões nos templos, mas da nossa maneira de viver – 1Pedro 1.15).

Que o Senhor possa responder essas perguntas por nós com um grande sorriso nos lábios, alegria em Seu coração e palavras de aprovação a nosso respeito.

Amém.