domingo, 9 de outubro de 2011

"A Minha graça te basta!"

A Bíblia em um ano
Isaías 32-33
Colossenses 1



“Três vezes roguei ao Senhor que o tirasse de mim [o espinho na carne]. Mas Ele me disse: ‘Minha Graça é suficiente para você, pois o Meu poder se aperfeiçoa na fraqueza’. Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim. Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte.”
2Coríntios 12.8-10


Favor, perdão, benevolência, chiste, gracejo, agrado, dom natural como meio de salvação ou satisfação, ato ou dito que alegra e faz rir. São termos que definem a palavra “graça”. Nada poderia ser mais apropriado para definir o agir de Deus em nós, por nós e para nós.

Paulo pedia ao Senhor uma providência segundo o que lhe parecia bem fazer: tirar-lhe o espinho da carne. O Senhor não disse que sim nem que não. Apenas contou-lhe que Sua Graça era suficientemente tudo o que Paulo precisava ter. Em outras palavras: “Espere!”

Mas por que será que Deus não ofereceu logo resolver o problema de Paulo? Talvez porque o maior problema a ser resolvido em Paulo não era o seu espinho na carne, e sim a sua fé. Paulo era um homem provado sob todas as circunstâncias. Ele era alguém que, aos olhos humanos, tinha tudo: bens, honra diante dos grandes do seu povo, uma patente respeitável diante de todos, temor e admiração dos menores a quem perseguia, firmeza e prontidão em cumprir a lei.

De repente, tudo isso vem abaixo. Todo o castelo de Paulo desmoronou com ele quando, literalmente, aquele homem caiu do cavalo (Atos 9). Teve um encontro com Jesus e, desde então, tudo o que tinha por lucro passou a ser perda em nome do amor que nasceu em seu coração pelo Senhor que, até então, Paulo só conhecia de ouvir falar. (Filipenses 3.7)

O homem de prestígio passou a ser considerado a escória da terra, o lixo do mundo (1Coríntios 4.9-13). O poderoso Paulo agora é mais um servo de Deus considerado louco pelo mundo, e sujeito a todo tipo de sofrimento, os quais poucas pessoas conseguiram suportar com equilíbrio mental (2Coríntios 11.23-29). O homem que tinha acesso aos nobres da terra agora passa a depender das ofertas das igrejas para continuar a viver e a manter o seu trabalho missionário (Filipenses 4.10-19).

Paulo não era um super-homem. Era um homem como nós. Era um homem comum. Tinha fraquezas e falhas. Tinha desânimo e também chorava. Paulo não era inabalável e também queria dizer a Deus a Deus o que fazer em momentos de desespero. Ele disse ao Senhor que tirasse o espinho da sua carne. E Deus disse, com palavras suaves: “Ainda não é o tempo.”

“A Minha Graça é suficiente para você”, foi o que Deus falou. E por que não “A minha bênção”? Ou “A minha glória”?

Porque, de fato, Graça é tudo o que precisamos. O favor de Deus que começou a nosso respeito lá no Éden, quando Ele prometeu enviar Jesus para esmagar a cabeça da serpente que trouxe toda essa desgraça e sofrimento sobre a terra (Gênesis 3.15), se estende até hoje sobre nós, e segue para onde não vemos, para o nosso futuro, quando a vitória do Senhor for concluída e a vida eterna for nossa última morada.

Essa Graça nos acorda todas as manhãs, nos oferecendo um dia inteiro para vivermos à luz do Senhor e dos benefícios que Ele providenciou para nós. As adversidades é que, muitas vezes, não nos permitem enxergar os favores de Deus e a Sua bondade imensa.

Quando olhamos para essa Graça e vemos o quanto caminhamos e conseguimos chegar até aqui, nossa fé é renovada e nossos ânimos revigorados. Quando olhamos para tudo o que Ele tem feito e o quanto ainda prometeu fazer, não podemos mais admitir a dor sobre nós, roubando nossa atenção da grandeza do nosso Deus e do Seu amor incomparável.

A Graça de Deus nos é suficiente, porque se há Graça, há certeza de vitória. Se há Graça, há certeza de Paz e de forças para prosseguir. Se há Graça, há certeza que a provisão chegará e que a tempestade terá um fim. Se há Graça, há certeza que o Deus fiel que agiu no passado não mudou, e continua agindo no presente. Se há Graça, há a presença de Deus. E isso muda toda a nossa perspectiva de derrota.

Paulo entendeu que nas suas fraquezas poderia ver ainda mais de perto a Graça de Deus, a presença da glória, as bênçãos imerecidas, e isso lhe esclarecia quão grande era sua força em Deus. Por isso ele deixou de rogar e passou a adorar. Levantou-se e bradou: “Por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte.”

Realmente, a Graça do Senhor é o bastante para nós. Quando somos pobres, é que somos ricos. Quando somos pequenos, é que somos grandes. Quando somos fracos é que somos fortes. Por tudo o que o Senhor fez e ainda fará por nós.

Ele abriu os olhos de Paulo para isso. Hoje, Ele está abrindo meus olhos outra vez para isso também. Permita-lhe fazer o mesmo com você.


"Graça! Tão doce Graça que me basta! Trago em mim as suas marcas. E Te louvo por abrir meus olhos mais uma vez para a certeza que Sua Graça não deixará minha fé desfalecer. Olhando minha vida até aqui, vejo nitidamente o quanto Tua Graça fez e eu nem sempre percebi. São as marcas que me trazem à memória hoje aquilo que me dá esperança outra vez. E por tudo isso Te agradeço, meu Senhor e meu Salvador. Gratidão, louvores, honras e glórias a Ti, nos Céus, na terra e em minha vida, para todo o sempre! Amém."