quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Outros deuses

A Bíblia em um ano
Isaías 56-58
2Tessalonicenses 2





“Filhinhos, guardai-vos dos ídolos.”
1João 5.21


Nós aprendemos com os ícones gospel a cantar para Jesus que Ele é o nosso tudo.

Se nós refletirmos bem sobre essa expressão, e colocarmos em prática o que ela nos ensina, nossas vidas nunca mais serão as mesmas [inclusive os ícones gospel deixarão de ser o que são].

Se Jesus é o nosso tudo, então Ele é nossas finanças, e nós vamos conseguir viver em paz com aquilo que temos e vamos ter controle sobre nossas contas.

Se Jesus é o nosso tudo, então Ele é nosso mundo, e por isso nós saberemos nos relacionar bem com nossas famílias, com nossa congregação, com todos ao nosso redor.

Se Jesus é o nosso tudo, então Ele é o alimento que comemos, e este não será mais ingerido de forma irresponsável, mas da maneira e nas quantidades e horas certas.

Se Jesus é o nosso tudo, então Ele é a roupa que vestimos, e nós não nos vestiremos com sensualidade, nem com exageros, mas com modéstia e com simplicidade, para que a aparência externa não roube o brilho do Espírito Santo em nós.

Se Jesus é o nosso tudo, então Ele é nossa saúde física, e embora venhamos a precisar de medicamentos e cirurgias, nós nunca nos esqueceremos que Jesus detém todo o controle sobre aquelas enfermidades e, no momento certo, dará um fim ao nosso sofrimento.

Se Jesus é o nosso tudo, então Ele é o trabalho que realizamos todos os dias e, por isso, vamos fazê-lo com excelência, dando o bom testemunho de responsabilidade, dedicação, honestidade.

Se Jesus é o nosso tudo, então Ele é as palavras que dizemos. Certamente elas serão de ânimo, serão cordiais, serão sinceras e serão firmes. E não serão empregadas para bajular ninguém, e sim para anunciar a verdade em tempo oportuno, seja consolando, seja exortando, seja abençoando.

Enfim, se Jesus é o nosso tudo, Ele é tudo em nós e tudo o que diz respeito a nós. E nós estaremos, finalmente [e intensamente], seguindo o caminho das Suas pegadas, caminhando à Sua sombra, sendo verdadeiros cristãos.

Guardemo-nos, pois, dos ídolos, que não são somente imagens de esculturas diante dos quais os seus devotos se ajoelham, mas qualquer outra coisa que se coloque acima do Senhor em nossas vidas, sejam essas coisas: interesses pessoais, coisas que nos dão prazer, sentimentos diversos [inclusive o de vingança], desânimo, tristeza. Se deixamos que qualquer outra coisa nos domine e não vemos em Deus alegria e vida além daquilo que nos domina, então, somos idólatras.

Por isso, hoje, declaramos ousadamente que nós não queremos em nossas vidas, nem o deus do desânimo, nem o deus da hipocrisia, nem o deus da carnalidade, nem o deus da depressão, nem o deus da mentira, nem o deus da inveja, nem o deus da solidão, nem o deus da enfermidade, nem o deus da vingança, nem o deus da irresponsabilidade, nem o deus da permissividade, nem o deus da inimizade, nem o deus da tristeza e da dor, nem nenhum outro deus, a não ser o único Deus Verdadeiro, o único Deus e Senhor e toda glória.

Só a Ele entregamos o trono do nosso coração. E é só a Ele que queremos ver e seguir. Porque Ele é o nosso tudo. Ele é tudo o que precisamos. E Ele é tudo o que, no fundo, nós sempre desejamos.