segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Lírios do Jardim Celestial

A Bíblia em um ano:
Jeremias 38-40
Hebreus 3-4



“Como um lírio entre os espinhos é a Minha amada entre as jovens.”
Cântico dos Cânticos 2.2


Os lírios devem ser cultivados em solos leves e férteis, enriquecidos com matéria orgânica, regados a intervalos regulares, para que se mantenham úmidos, sem encharcamento. Os lírios apreciam o frio e perdem a folhagem durante o inverno, sendo este período muito importante para a maturação dos bulbos. Não toleram a seca.*

Não vemos aqui mais uma vez a natureza nos dando uma preciosa lição dos cuidados do Senhor para com os Seus, e da forma como Ele age em nossas vidas?

Assim como os lírios, nossas vidas não podem ser cultivadas em terras pobres, em solos rochosos ou argilosos ou arenosos, em terrenos inférteis. Precisam de terras leves e férteis, enriquecidas por matéria orgânica, que pode ser representada aqui pelas vidas de outras pessoas cheias de Deus que são capazes de nos influenciar para o bem no decorrer da nossa existência. Se hoje temos doutrinas e bons costumes, devemos aos exemplos dos sábios cristãos que vieram antes de nós.

Assim como os lírios devem ser regados regularmente para que se mantenham úmidos e sem encharcamento, o Senhor Se encarrega pessoalmente de cuidar do Seu povo para que esse equilibro seja permanente em nossas vidas. Nem santidade demais para que nos tornemos religiosos, nem liberdade demais para que nos tornemos pervertidos. Simplesmente equilibrados para um mundo desmedido; luzes para um mundo escurecido pelas trevas do pecado; perfumes agradáveis para um mundo que exala o fedor da morte.

E os invernos, que produzem nos lírios a perda das suas folhagens e isso inevitavelmente contribui para a maturação dos bulbos (órgão que contem o gema ou botão que pode originar nova planta)**, assim também os invernos das nossas vidas trazem crescimento, aperfeiçoamento, maturação. Não devemos vê-los como a hora da nossa morte, mas como oportunidades de grandes aprendizagens e de capacitação para ocasiões futuras que exigirão de nós tais experiências.

Deus sabe disso, por isso não abre mão de nos permitir passar pelos invernos, muitas vezes rigorosos, mas que geram aprendizagem em nós e, principalmente, muitos bulbos em nossas almas. Botões que gerarão novas flores quando a primavera inevitavelmente chegar após o inverno.

E como para os lírios, a seca para nós é sinônimo de morte. A falta de Deus, a falta da presença do Senhor Jesus, a falta do Seu amor e do Seu perdão, enfraquece nossas almas ao ponto de matá-las. Jesus é a nossa água da vida. Ele é a fonte que rega nossas almas. Sem o Senhor nós perecemos.

Lírios são plantas. São belíssimas plantas que cumprem uma missão onde estão plantadas e, no devido tempo, suas flores murcham. A Bíblia nos compara com isso também: “A vida do homem é semelhante à relva; ele floresce como a flor do campo, que se vai quando sopra o vento e nem se sabe mais o lugar que ocupava” (Salmos 103:15-16).

Mas isso não é motivo para entristecer nossos corações, se somos cuidados pelo Bendito Jardineiro, o Espírito Santo de Deus. Quando o vento soprar e quiser levar nossas vidas para o Céu (seja pela morte, seja pelo arrebatamento), deixaremos muitas flores novas aqui, heranças do bem para quem permanecer em vida, e teremos um futuro de glórias ainda maiores na eternidade com nosso Senhor.

“Como um lírio entre os espinhos é a Minha amada entre as jovens” (Cântico dos Cânticos 2.2). Essa palavra é do Amado para sua Amada. Eles representam, respectivamente, Jesus e Sua Noiva Amada, a Igreja Santa do Senhor.

Mas o lírio não tem espinhos. Ele tem beleza, perfume, mas espinhos não. Os espinhos estão à sua volta... “Como um lírio entre os espinhos...”

Jesus destaca Seu povo, Seus servos, Seus amados, como lindas e perfumadas flores que habitam no meio de um povo corrompido, no meio de um mundo espinhoso, rodeado de situações conflitantes. Mas a Amada Noiva, o lírio dos vales (Cântico dos Cânticos 2.1) sempre se destaca por sua beleza, por sua diferença, pelo aroma agradável de Cristo que produz em qualquer situação.

E, principalmente, ela se destaca por viver em santidade neste mundo como um lírio entre espinhos, mas que não se esquece jamais que pertence ao Jardim Celestial.


(*) Disponível em http://www.jardineiro.net/br/banco/lilium_sp.php.
(**) Disponível em http://www.priberam.pt/dlpo/default.aspx?pal=bolbo