quinta-feira, 3 de novembro de 2011

O veneno do ódio

A Bíblia em um ano:
Jeremias 27-30
Tito 3


“ ‘Ouvi os insultos de Moabe e as zombarias dos amonitas, que insultaram o Meu povo e fizeram ameaças contra o seu território. Por isso, juro pela Minha vida’, diz o Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel, ‘Moabe se tornará como Sodoma e os amonitas como Gomorra: um lugar tomado por ervas daninhas e poços de sal, uma desolação perpétua. Os remanescentes do Meu povo herdarão a terra deles.’ É isso que eles receberão como recompensa pelo seu orgulho, por insultarem e ridicularizarem o povo do Senhor dos Exércitos.”
Sofonias 2.8-10


Vingança é uma maneira astuta que o maligno usa para destruir tanto o ofendido quanto o ofensor. Uma vez que a vingança passa a ser a motivação de um coração ofendido, a parte ferida pode entrar num estado de ódio irreversível.

Mas se, por um lado, a vingança pode destruir tanto uma quanto a outra parte, por outro lado, a parte ofensora pode, mais à frente, conhecer o amor de Deus, converter-se ao Senhor e ganhar a salvação, diferentemente do ferido cheio de ódio, que pode acabar por perdê-la.

São muitos os motivos que levam alguém a querer vingar-se, mas nenhum deles é suficiente para fazermos isso. Pensando no estrago que a vingança pode causar e da nossa incapacidade de exercermos algum domínio sobre o ódio, Deus já nos livrou dessa responsabilidade tão imensa que é exercer a vingança com justiça: “A Mim pertence a vingança e a retribuição. No devido tempo os pés deles escorregarão; o dia da sua desgraça está chegando e o seu próprio destino se apressa sobre eles” (Deuteronômio 32.35). Essa é a certeza que devemos ter: que o Senhor é o único justo e sábio para exercer a vingança e retribuir cada um segundo as suas obras. (2Coríntios 5.10; Mateus 16.27; Apocalipse 20.13; Romanos 2:6-8)

Por isso, não vamos sonhar em estar na plateia e ver nossos ofensores no palco, vendo Jesus brilhando em nós. Vamos amá-los, orar e agir de forma que eles também sejam agraciados pela libertação e salvação do Senhor, de forma que o Mestre também seja a luz dos dias deles. Pois foi assim que o Bondoso Salvador nos ensinou. (Mateus 6:12,14-15; 5:38-42; Lucas 6:27-36; Romanos 12:9-21). Foi assim que Ele agiu diante dos Seus algozes. E quem diz que está nEle deve andar como Ele andou. (1João 2.6)

No livro de Provérbios, o sábio nos dá um conselho preciso sobre nossa postura diante do desejo de vingança: “Não diga: "Eu o farei pagar pelo mal que me fez! " Espere pelo Senhor, e ele dará a vitória a você” (Provérbios 20.22). O homem de Deus sabe que o ódio é um veneno espalha para tudo que a pessoa vingativa toca. É certo que, neste mundo, nunca acharemos perfeição e justiça completa, seja qual for a bondade do sistema judicial em rigor na hora ou a bondade de quem convive conosco a cada dia. Mas dessa verdade não podemos esquecer: Deus não traz apenas justiça; Ele nos libertará das mãos do opressor e do veneno do ódio.

Esperemos, então, com paciência, pela justiça de Quem realmente sabe exercê-la. Talvez não seja fácil, mas é muito poderoso.