segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Se... Então...

A Bíblia em um ano:
Lamentações 3-5
Hebreus 11:1-19

By Elaine Cândida, com imagens do Google.



“Sucedeu, pois, que, acabando Salomão de edificar a casa do Senhor, e a casa do rei, e todo o desejo de Salomão, que lhe veio à vontade fazer, o Senhor tornou a aparecer a Salomão; como lhe tinha aparecido em Gibeom. E o Senhor lhe disse: Ouvi a tua oração, e a súplica que fizeste perante Mim; santifiquei a casa que edificaste, a fim de pôr ali o Meu nome para sempre; e os Meus olhos e o Meu coração estarão ali todos os dias. E se tu andares perante Mim como andou Davi, teu pai, com inteireza de coração e com sinceridade, para fazeres segundo tudo o que te mandei, e guardares os Meus estatutos e os Meus juízos, então confirmarei o trono de teu reino sobre Israel para sempre; como falei acerca de teu pai Davi, dizendo: Não te faltará sucessor sobre o trono de Israel.”
1Reis 9.1-5


Depois de Salomão até Jesus, a história de Israel foi marcada por uma seqüência de altos e baixos. Em alguns períodos houve reis que seguiam ao Senhor e estimulavam o povo a também obedecer a Deus; em outros, os reis não obedeciam e além de adorarem outros deuses ainda induziam o povo a tal; e em outros períodos nem um rei havia para dominar sobre o povo.

Até que Deus encerrou a promessa a Davi em Jesus, porque os homens já não tinham mais condições de cumprirem o “se” para poder viverem o “então”, tão presentes ao longo de toda a Palavra de Deus: “Se ouvires a Minha Palavra... se andares perante Mim... se atentares aos Meus mandamentos... se Me buscares... Então Eu farei... então Eu serei... então Eu abençoarei... então Eu confirmarei...”

Não uma troca de favores, mas uma seqüência de fatos, onde Deus primeiramente nos ama e espera de nós o mesmo depois.

Antes de nós nascermos, Deus já nos conhece, nos ama e abençoa, já colocando à nossa disposição a Sua graça (que, na verdade, já foi concedida aos homens desde Jesus). Depois que nascemos, nós é que temos a possibilidade de conhecer ao Senhor, amá-Lo e viver sob a Sua graça. Mas há muitas pessoas que simplesmente não querem.

Os fins podem ser (têm sido) trágicos, sob o rigor de uma vida desraigada da presença de um Deus que ama de modo sublime e altruísta o pecador, mas que abomina impiedosamente o pecado: “Mas, se não ouvires... mas, se não andares... mas, se não atentares... mas se não Me buscardes...”.

“Se Deus faz promessas a você, você não morrerá sem que elas se cumpram.” Não é isso que temos visto sendo pregado por aí? Mas o que vemos no decorrer de toda a Bíblia é que Deus cumpre Suas promessas nas vidas de quem se dispõe a obedecê-Lo “com inteireza de coração e com sinceridade”.

Procuremos, pois, conhecer mais o nosso Deus a cada dia. E certamente, à medida em que nos aproximarmos mais dEle, mais nos apaixonaremos por Sua beleza, sabedoria e perfeição. A obediência e adoração serão atitudes espontâneas de quem conheceu pessoalmente o Senhor e procura, por amor, agradá-Lo de forma sincera e completa.

E o cumprimento das Suas promessas serão as maravilhosas conseqüências de uma vida vivida em comunhão com o Criador dos céus e da terra.