domingo, 1 de janeiro de 2012

A cruz e o ego

A Bíblia em um ano:
Gênesis 1-2


“Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo”.
Lucas 14.33

Cruz e egocentrismo se opõem, sempre.

A cruz nos cansa, o ego deseja descanso.

A cruz nos pesa, o ego quer leveza por toda a vida.

A cruz não expressa beleza, mas o ego procura o mais belo que se possa encontrar da vida.

A cruz requer paciência, mas o ego é imediatista.

A cruz nos lembra que não somos salvos pelas nossas obras, mas pelas obras de Cristo, enquanto o ego quer ser exaltado por cada obra que realizar.

O ego quer as bênçãos da cruz, mas não quer carregá-la nem por um instante sequer.

A visão do ego nos leva a uma valorização e priorização de coisas que, no reino de Deus, estão em último lugar em importância. Por outro lado, coisas que o ego despreza, no reino divino são as primeiras em prioridade e valor. A cruz nos faz entender isso.

E no final de tudo, o ego resume a nossa vida a este mundo material e a encerra com a morte. Porém, a cruz é a ponte pela qual alcançamos as promessas de uma vida melhor do que tudo o que já se conheceu, que vai além da morte e que durará por toda a eternidade.