segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Coração voluntário

A Bíblia em um ano:
Números 25-28


“Tomai do que tendes; uma oferta para o Senhor; cada um, cujo coração é voluntariamente disposto, a trará por oferta alçada ao Senhor: ouro, prata e cobre.”
Êxodo 35.5


A Bíblia nos conta a história de uma viúva pobre que pegou as suas duas últimas moedas e entregou como oferta ao Senhor. E as palavras do próprio Jesus Cristo proferiram que “lançou mais do que todos a pobre viúva, pois todos os ricos deram como oferta de Deus do que lhes sobejava, mas a mulher, da sua pobreza, deu todo o sustento que tinha” (Lucas 21.1-4).

Tanto essa parábola quanto a passagem que lemos nos mostram duas visões acerca das nossas ofertas ao Senhor:

1) Deus nunca quis que fizéssemos nada forçado para Ele, por pura e simples obrigação. Viste o termo? “Voluntariamente”! Ele sempre desejou ser amado por Seus filhos como o ser maior e mais importante de suas vidas. Quando amamos alguém, queremos fazer por este sempre o melhor, queremos sempre lhe dar as primícias de tudo o que temos ou conseguimos. Se temos um real amor pelo Senhor, devemos oferecer nosso melhor: o nosso tudo, ainda que nos custe... Nossa entrega ao Senhor deve ser total e sem restrições.

2) Para o Senhor Deus não interessa quantidades mas a qualidade implícita em nosso ato de ofertar, seja material, seja espiritualmente. Não devemos fazer nada para nos engrandecer quando fizermos algo que nos pareça muito, nem nos envergonhar em oferecer ao Senhor algo que nos pareça pouco. O desejo e a real intenção de nossos corações é que determinarão o tamanho e a validade da nossa oferta ao Senhor.

Dessa maneira, o Criador deu a todos condições suficientes para contribuir, compartilhar, ofertar, fazer o bem, sempre. Basta abrirmos nossos corações e oferecermos nossa atenção, nossos serviços, nossos favores, nosso carinho, nossa adoração, ou o que for, com nossa sinceridade e prazer. Isso é o que enriquecerá nossos atos. E assim, ninguém será tão pobre que não possa fazer algum bem.