terça-feira, 20 de março de 2012

Não há motivo!

A Bíblia em um ano:
1Samuel 21-24





“E de Jerusalém, da Iduméia e de além do Jordão, e das regiões de Tiro e de Sidom, grandes multidões, ouvindo falar de tudo quanto fazia, vieram ter com ele. Recomendou, pois, a seus discípulos que se lhe preparasse um barquinho, por causa da multidão, para que não o apertasse; porque tinha curado a muitos, de modo que todos quantos tinham algum mal arrojavam-se a ele para lhe tocarem. E os espíritos imundos, quando o viam, prostravam-se diante dele e clamavam, dizendo: Tu és o Filho de Deus.”
Marcos 3.8-11


Muitas são as seitas nos dias atuais, querendo imprimir nas mentes e nos corações dos homens um salvador e um caminho diferente daquele único anunciado pela Bíblia.

Não raramente encontramos por aí doutrinas que transferem a grandeza de Jesus Cristo a outros deuses. Contudo, nenhum desses ensinamentos, acerca de nenhuma outra pessoa que seja, ensinam que mortos têm ressuscitado pelos nomes de tais pessoas, nem que demônios os têm confessado como Filhos do Deus Vivo, nem pela Palavra de Deus se conhece que seus corpos tenham ressuscitado e sido entronizados na Glória eterna...

Por que, pois, deveríamos acreditar em ensinamentos que não trazem nenhuma esperança para nossas vidas?

Qual a razão para deixarmos de crer no único Ser que, quase dois mil anos após Sua morte, está vivo e continua operando milagres, sinais e maravilhas que outro jamais conseguiu realizar?

Que esperança poderíamos ter através daqueles cujos corpos ainda apodrecem nos sepulcros?

Que nível da nossa fé poderá ser honrada por aqueles que não puderam salvar-se nem a si mesmos, que dirá do mundo inteiro?

Ora, se sabemos acerca de um Cristo a quem até os espíritos imundos confessavam ser o Filho de Deus (e estes bem O conheciam, porque estiveram com Ele no Édem no início da Criação), não existe motivo algum para transferirmos nossa fé a outra pessoa.