sexta-feira, 30 de março de 2012

Nos engarrafamentos da vida...

A Bíblia em um ano:
1Reis 1-4

By Elaine Cândida, com imagens do Google.


“Feliz é o homem que persevera na provação, porque depois de aprovado receberá a coroa da vida, que Deus prometeu aos que O amam.”
Tiago 1.12


Era um engarrafamento enorme atípico naquele horário. Mas engarrafamentos são comuns e até toleráveis. Comuns mas quase insuportáveis são as reclamações de alguns passageiros (extremamente) impacientes.

Certa mulher fez tantas reclamações, falou mal do motorista, exigiu que ele fizesse mudanças no itinerário que geram tantas complicações no trabalho dele (do condutor), que o restante dos passageiros já estava incomodado. (Confesso que em certos momentos tive vontade de eu mesma falhar-lhe umas poucas e boas!)

Fiquei pensando no quanto Deus sente-Se incomodado quando nos vê reclamando de tudo, impacientes, inconformados... Reclamações, porém, não resolvem os problemas. Paciência e atitude, sim. Só que, às vezes, a melhor atitude que devemos ter é não expressar atitude nenhuma.

Em certo momento, uma motorista apressadinha (e impaciente, e atrevida) ganhou tempo fazendo a rotatória do viaduto pela contramão, do lado em que não havia engarrafamento, para encolher o caminho. Mas ela quase encolheu foi o tamanho do seu carro, porque outro veículo – que vinha no sentido certo do viaduto – quase se chocou de frente com a motorista imprudente, por causa da pouca visibilidade daquele trecho. Por muito pouco não assistimos a um acidente grave ali...

Atitudes impacientes assim são responsáveis diretas por tantas tragédias em nossas vidas. Quando estamos inconformados, nos sentido prejudicados ou esquecidos, nossa tendência é passarmos à frente de Deus, e isso quando não Lhe enchemos os ouvidos com tantas reclamações e ofensas.

Aí, para ver se a mulher (chata) parava de reclamar, o motorista – até então muito paciente – conversava com a cobradora sobre as penalizações que já sofreu por desviar o ônibus da rota durante engarrafamentos anteriores. Todos os que ouviram essa conversa, entenderam. Mas a mulher (implicante) continuou resmungando.

Deus também sempre nos alerta sobre a Sua consciência dos males que atitudes precipitadas podem nos causar. Ele mesmo – o Senhor – não sofre prejuízo (embora nos ame e sinta as nossas dores). Mas nós – que não estamos acima do bem e do mal, como Deus – não podemos calcular a proporção dos danos a que estamos sujeitos nessa vida, muitos dos quais podem ser evitados se tão somente adorarmos e esperarmos com paciência no Senhor, em vez de murmurarmos ou agirmos no lugar dEle.

A única coisa que eu não gostei no motorista do ônibus é que, depois de sairmos do engarrafamento, ele pareceu correr um pouco mais do necessário, como se quisesse descontar parte do tempo perdido.

Louvo a Deus por Ele ser o motorista da minha vida e não ter pressa em nada! (Embora isso sempre me aborreça, em princípio...)

Mesmo depois dos “engarrafamentos gigantescos e dos acidentes trágicos” nas nossas vidas, o Eterno continua cauteloso em tudo o que faz, agindo com mansidão e extremo cuidado para que nada se perca, para que tudo dê certo, para que Sua perfeição assine mais um glorioso projeto divino em nossas vidas. E quando isso acontece, tudo o que podemos perceber diante da glória é que valeu à pena esperar no Senhor.

Às vezes é preciso que percamos tempo. Às vezes, é preciso que percamos oportunidades. Às vezes, é preciso que percamos coisas ou pessoas. Mas nenhuma perda é maior do que a satisfação da glória do Senhor numa vida vitoriosa, cujo coração foi paciente e soube guardar a fé.