segunda-feira, 16 de abril de 2012

Atrás da malhada

A Bíblia em um ano:
1Crônicas 4-7


"Jessé levou a Samuel sete de seus filhos, mas Samuel lhe disse: ‘O Senhor não escolheu nenhum destes.’ Então perguntou a Jessé: ‘Estes são todos os filhos que você tem?’ Jessé respondeu: ‘Ainda tenho o caçula, mas ele está cuidando das ovelhas’. Samuel disse: ‘Traga-o aqui; não nos sentaremos para comer enquanto ele não chegar’. (...) ‘Agora, pois, diga ao Meu servo Davi: Assim diz o Senhor dos Exércitos: Eu o tirei das pastagens, onde você cuidava dos rebanhos, para ser o soberano de Israel, o Meu povo’."
1Samuel 16.10-12 e 2Samuel 7.8

Davi era um pastor de detrás da malhada (2Samuel 7.8). Dizem que há uma diferença entre o pastor da frente da malhada – este seria o guia – e o pastor do fundo do rebanho. Este, seria o protetor das ovelhas.

Essa diferença é importante para entendermos algumas coisas que as experiências de Davi nos ensinam.

Enquanto esteve atrás da malhada, Davi esteve matando leões e ursos, adquirindo confiança em Deus, ganhando experiência na fé e na fidelidade ao Senhor. Depois, quando chegou o tempo de enfrentar um gigante, tudo o que Davi teve de fazer foi anunciar que ele não lutaria, mas que o Senhor dos Exércitos lutaria por ele. (2Crônicas 20.17-30; 1Samuel 17.45-47)

Ele já tinha sido ungido por Deus (1Samuel 16.12-13). Estava seguindo para a frente da malhada. Estava começando uma jornada como um líder exemplar à frente de Israel. E nem por isso deixaria a humildade de um servo, a confiança de um adorador, a dependência de um Filho de Deus.

Davi teve seus erros – sim, pois era humano. Mas seus acertos cobrem em muito qualquer característica que pretenda denegrir sua imagem.

E foi por isso que o Senhor não o tirou de detrás das malhadas (do rebanho de ovelhas) para lhe colocar à frente delas. Mas sim, tirou Davi de detrás (do oculto, do desconhecido) da malhada (Israel), para lhe tornar rei – o senhor do cargo mais alto de uma nação.

E isso me faz pensar sobre os tempos em que passamos detrás da malhada. Deus sempre tem um propósito enquanto nos mantém no oculto, no escondido, no lugar afastado dos demais. Estive meditando muito hoje sobre o que eu gostaria de ter e não tenho, sobre as privações que passo, sobre o que vejo de longe mas não posso alcançar.

E termino meu dia ouvindo o Senhor falar, por meio da Sua Palavra, que há um tempo de aprendermos a vencer ursos e leões, e que esse tempo é um tempo de separação e de anonimato. Mas chegará um tempo em que multidões nos verão vencendo gigantes pelo poder do Nome do Senhor dos Exércitos.

Se as pessoas soubessem que Davi esteve matando animais tão ferozes, certamente teriam mandado lhe chamar logo que o filisteu Golias apareceu. Mas a glória seria de Davi. Porém, se em dias normais Davi já não era muito valorizado pelos seus, agora ainda menos o seria, quando um exército terrível assola Israel e nem mesmo os soldados mais fortes da nação conseguem vencê-lo.

E foi quando Davi se tornou ainda mais esquecido, ainda mais inútil aos olhos dos poderosos guerreiros de Israel, e desprezível até aos olhos do rei Saul (1Samuel 17.33), Deus mostrou àquele povo autossuficiente que o pequeno adorador que conseguiu vencer o diabo (leão) e sua própria carne (urso) pelo poder do Senhor (1Samuel 17.37) agora venceria o mundo (gigante) e seus sistemas, da mesma forma.

Posso me ver em Davi. Posso ver em Davi qualquer um que queira viver sob a dependência de Deus. Estamos no tempo de sermos esquecidos pelos outros, mas estamos num período de grandes aprendizados e vitórias contra o diabo e contra a natureza carnal que milita contra o nosso espírito incessantemente (Gálatas 5.16-17). Logo, da mesma maneira que vencemos esses males também venceremos o mundo pela nossa fé no Deus que é Vivo e que reina eternamente (1João 5.4-5).

E multidões verão a glória de Deus em nós, por nós e através de nós.