quinta-feira, 12 de abril de 2012

Como Jesus viveu

A Bíblia em um ano:
2Reis 12-18

“Levantou-Se [Jesus] da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-Se. Depois deitou água numa bacia, e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido. (...) [E disse-lhes:] Porque Eu vos dei o exemplo, para que, como Eu vos fiz, faças vós também.”
João 13.4,5,15

Jesus Se levantou da ceia. Deixou Seu lugar de honra como Mestre, deixou Seu lugar de conforto, para Se preparar para realizar uma excelente obra: lavar os pés dos Seus discípulos, menores que Ele em poder, em honra, em qualidade, em espiritualidade, em tudo.

Preparou-Se para fazer algo por alguém. E isso não implicava em ganhar muito dinheiro ou em se formar em altos graus de estudo. Isso implicava exatamente em retirar o que tinha de precioso, que Lhe cobria o corpo. Implicava em despir-Se e ser simplesmente quem Ele era: naquele momento, encarnado, Ele era Jesus, um homem simples como os demais, que estava deixando Suas vestes para descer ao nível dos outros que precisavam dEle. De cima, numa posição superior, humanamente falando sobre hierarquias, fica difícil demonstrar humildade no ato de ajudar, o mais provável é que a ajuda aconteça pela arrogância, pela soberba, pelo gozo do poder, pelo exibicionismo.

Ele mesmo deitou água em uma bacia. Não estava esperando que alguém fizesse isso por Ele. Para a obra que Ele quis realizar, Ele mesmo teve a iniciativa de começá-la. Não esperou por ninguém. Simplesmente agiu, e surpreendeu os presentes.

Cingiu-Se com uma toalha. E com ela mesma enxugou os pés que lavara. Ele não pediu a ninguém para fazer nada por Ele, mas usou o que Ele tinha para abençoar aquelas pessoas. Literalmente, com este gesto, Jesus “entregou também Sua túnica” (Lucas 6.29).

Não requereu nada em troca. Apenas fez o que tinha que ser feito. Não Se importou com o que viriam a dizer sobre Ele. Agiu e, com um gesto tão simples, deixou um exemplo maravilhoso de como devemos ajudar às pessoas, de como devemos nos tornar humildes diante delas para que, a Seu tempo, o Pai nos exalte.

Judas estava lá também. Jesus O lavou, mesmo sabendo que ele era quem O havia de trair logo depois de algumas horas. E com isso o Senhor nos ensinou a não julgarmos quem merece ou desmerece nosso socorro, nossa atenção, nossa companhia. Simplesmente nos ensinou a fazer algo para demonstrar amor pelos que nos cercam. Se usam de má fé para conosco, para com nossas atitudes, certamente receberão sua recompensa, pois nada passa desapercebido aos olhos de Deus, e este mesmo Deus também não tem culpados por inocentes. Judas teve o que mereceu. E não foi Jesus quem fez nada contra ele.

Um se desviou. Onze tiveram momentos de medo e fuga quando o cerco se fechou para eles diante da prisão do Mestre. Mas o que Jesus havia feito ficou impresso em seus corações. E eles recordaram que os exemplos de Cristo se originaram de atitudes de amor verdadeiro por um povo indigno e miseravelmente pecador. E logo foram convencidos que o mais justo seria, então, que esse povo se convertesse e concentrasse todos os seus esforços para realizarem atitudes de amor verdadeiro por Jesus, que realmente é digno.

A nós cabe seguir o exemplo que Ele nos deixou...

E que o amor do Pai seja percebido em Seus filhos espalhados por todo o mundo, pelo simples fato de viverem como Jesus viveu...