terça-feira, 8 de maio de 2012

Sacrifícios e Holocaustos


A Bíblia em um ano:
Esdras 6-10


“Pois desejo misericórdia, e não sacrifícios; conhecimento de Deus em vez de holocaustos.”
Oseias 6.6

Sacrifícios não tornam o homem mais humano. Exercer a misericórdia, sim!

No passado, os povos sacrificavam aos montões no altar do Senhor e diante do Seu templo, mas seus corações continuavam maus, cheios de perversidade e desobediência. E tal hipocrisia tornou-se tão habitual e tão insustentável, que o próprio Deus chegou a declarar:

“Para que Me oferecem tantos sacrifícios? – Pergunta o Senhor. – Para Mim, chega de holocaustos de carneiros e da gordura de novilhos gordos. Não tenho nenhum prazer no sangue de novilhos, de cordeiros e de bodes! Quando vocês vêm à Minha presença, quem lhes pediu que pusessem os pés em Meus átrios? Parem de trazer ofertas inúteis! O incenso de vocês é repugnante para Mim. Luas novas, sábados e reuniões! Não consigo suportar suas assembléias cheias de iniqüidade. Suas festas da lua nova e suas festas fixas, Eu as odeio. Tornaram-se um fardo para Mim; não as suporto mais! Quando vocês estenderem as mãos em oração, esconderei de vocês os Meus olhos; mesmo que multipliquem as suas orações não as escutarei.” (Isaías 1.11-14)

E essa prática terrível continua imperando em nosso meio. Contudo, nossos dízimos não nos salvarão. Nossas ofertas não pagarão pelos nossos pecados. Nosso empenho na Igreja não nos tornará mais santos. Nossas orações bonitas e altas nem mesmo alcançarão os céus se não forem carregadas de sinceridade, de contrição e quebrantamento (Salmos 51.17).

Porque holocaustos não mudam caráter. Conhecimento de Deus, sim!

E é isso o que o Senhor requer de nós: que nos voltemos para Ele, esforçando-nos por conhecê-Lo sempre mais e mais (Oseias 6.1-3). Só assim nossa natureza malvada e pecaminosa será suprimida, porque só conhecendo Deus nós compreenderemos o quanto estamos distantes de sermos como Ele...

Só conhecendo o Senhor perceberemos o que nós de fato somos, quem Deus realmente é e o quanto somos nós que precisamos dEle.