sexta-feira, 15 de junho de 2012

Mais perto de Deus, mais distantes do mundo.


A Bíblia em um ano:
Salmos 57-62

By Elaine Cândida, com imagens do Google.

“Saiba disto: nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis. Os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem, traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder. Afaste-se desses também.”
2Timóteo 3.1-5

Quando olhamos para o mundo ao nosso redor, uma desesperança tende a gritar em nossos corações. Pois, a cada dia que passa, piora a situação do caráter humano, embora os discursos contemporâneos sobre um mundo melhor e mais socializado tenham aumentado e cada vez mais estão submergidos no holismo, colocando o homem como o centro de tudo.

Porém, é crescente nossa decepção com a raça humana. Embora toda sua Inteligência e capacidade, nitidamente observáveis no curso de toda a sua história, relatos como esse de Paulo a Timóteo tratam de fatos que são gradualmente mais desesperadores.

E assim, chegamos – enfadados – a questionar: Será que vale mesmo que vale à pena continuarmos vivendo num mundo assim? Será que há esperança para essa nossa – triste, cega, pobre, miserável e nua (Apocalipse 3.17) – realidade?

O próprio relato de Paulo insinua que sim, que há esperança e que o nosso tempo não está perdido. Quando nos orienta a nos afastarmos daquele tipo de gente (citada nos versículos acima), Paulo pretensa e acertadamente  aponta para um lugar diferente, um lugar onde as pessoas não seguem seus impulsos nem agem egoisticamente. Um lugar onde Jesus é o centro, e por isso, tudo o que se refere àquele lugar também é santo, perfeito e plenamente satisfatório. Um lugar onde o outro tem o mesmo valor que nós, e todos são dignos – igualmente – da mesma misericórdia.

Esse lugar é o Senhor. Nossa estadia nele pode ser eterna (só depende de nós), e nós somos muitíssimo bem aventurados em corrermos desprendidamente para lá. Pois os tempos, de fato, são cada vez mais difíceis. Mas quanto mais nos aproximamos de Deus, cada vez mais nos distanciamos desse mundo.