quarta-feira, 18 de julho de 2012

A sublime força da vida


A Bíblia em um ano:
Provérbios 21-24

Imagem: Google.

 

“Para a árvore pelo menos há esperança: se é cortada, torna a brotar, e os seus renovos vingam. Suas raízes poderão envelhecer no solo e seu tronco morrer no chão; ainda assim, com o cheiro de água ela brotará e dará ramos como se fosse muda plantada.”
Jó 14.7-9


É impressionante esse poder de regeneração que a natureza tem, e como com pequenos eventos a vida no dá grandes lições.

O galho cortado que volta a brotar nos inspira a olharmos de modo diferente para trás e reconsiderarmos sobre o quanto a vida foi cruel conosco, ora cortando e ora quebrando nossos galhos, trazendo dissabores e revoltas até. Aquela árvore incompleta parece não muito agradável de se ver, mas ela se mantém disposta a permitir o tempo cicatrizá-la e, como um milagre divino, vinga-se do dano oferecendo novo ramo à vida.

Essa gentileza não é uma provocação, mas um brilho natural de quem aprendeu a esperar e superar danos e perdas com olhos sempre mirados na força que Deus já colocou dentro de cada um de nós.

Escrevi a um amigo outro dia que o passado é sempre uma assombração frustrando sentimentos e engessando possibilidades. E, de fato, quem se assenta sobre ele como uma mala cheia que não quer fechar sempre acaba perdendo o trem, isto é, o presente. Arrastar o passado conosco nos atrasa, nos limita, nos cansa rapidamente. O presente passa e se torna mais uma parte mal vivida do passado. E isso pode tornar-se constante até que cheguemos à velhice e, irremediavelmente tenhamos de admitir que vivemos uma vida sem muita satisfação.

Perdoar-se a si mesmo, perdoar aos outros, ver as dificuldades como oportunidades de superação, entender os próprios erros como oportunidades de novas aprendizagens e, acima de tudo, render-se à vontade perfeita do Criador, são passos imprescindíveis para que os lugares dos galhos quebrados cicatrizem e produzam novos brotos.

Brotos cheios de esperança, limpos de vícios, mais resistentes à praga do pecado, vistosos e vigorosos. É assim que eles renascem. É assim que eles tornam as árvores seres admiráveis, pois eles são dos exemplos mais evidentes da sublime força que há na vida.