terça-feira, 17 de julho de 2012

Eu, meu inimigo íntimo...

A Bíblia em um ano:
Provérbios 16-20

Inimigo Íntimo. André Lucas. Disponível em  Eu Vou Orar.


“Fortaleçam-se no Senhor e no Seu forte poder. Vistam toda a armadura de Deus, para poderem ficar firmes contra as ciladas do diabo, pois a nossa luta não é contra seres humanos, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais.”
Efésios 6.10-12


Ouvindo um hino que o Matheus Henrique me enviou nesta manhã, um trecho da bela canção chamou minha atenção. Embora eu já o conhecesse [o hino] e até já o tenha cantado várias vezes, neste momento – precisamente neste momento tão oportuno – duas frases falaram comigo de forma muito especial: “Não é preciso se preocupar, pois dos teus inimigos Ele vai cuidar. E diante de ti contemplarás o poder que tem a mão de Jeová.” (Elen Diana. Deus de Justiça. Trecho. CD Elen Diana Vol. 1, faixa 4.)

Muitas vezes, nossos maiores inimigos somos nós mesmos, não porque não tenhamos amor próprio, mas porque permitimos que a autodepreciação se apodere de nós.

Sabe aquele complexo de insignificância, aquele trauma interior, aquele sentimento de inferioridade, aquela timidez exagerada? Pode ser um desses o inimigo que precisa ser destruído hoje para que haja mais paz e satisfação em nossas vidas. E muitas vezes nós sabemos disso, mas não queremos ver. Insistimos em esmurrar a ponta da faca dos complexos pessoais, vendo o sangue correndo rapidamente pelas nossas mãos dilaceradas pelos desencantos da vida, enquanto retomamos aqueles pensamentos que nos aprisionam e voltamos lenta e dolorosamente ao fundo de um calabouço escuro, dentro das nossas próprias almas, onde nos recolhemos com todas as nossas frustrações passadas e dores permanentes.

Às vezes até nos sentimos bem. Até começamos a ver o sol da felicidade pelas fendas da velha porta da autocomiseração atrás da qual muitos de nós se encerram. Um som bonito vem de lá. Um som de canto de pássaros alegres e satisfeitos com as provisões inesperadas que o Criador lhes envia constantemente. Árvores de sonhos e grandes projetos se curvam sobre um rio de realizações a correr lá fora, cujo barulho das águas cristalinas alcança e encanta nosso ser encarcerado na insatisfação pessoal. Borboletas da paixão batendo suas asas alvoroçadamente sobre as flores das realizações pessoais, e estas desabrochando uma a uma, explodindo em cores, em perfumes, em amores, bailando ao som suave do vento da boca do Eterno, a dizer: “Você tem valor!

Mas quando já estávamos quase seduzidos e, lentamente, nos aproximamos tanto da porta a ponto de já sentir o calor e o perfume suave de um estilo seguro e bem direcionado de viver, um bafo quente é projetado próximo sobre nosso pescoço, liberando uma voz cavernosa que sussurra impiedosamente ao nosso ouvido: “Isso não é para você!

E a batalha interior recomeça.

Resta lembrar que qualquer coisa que possa nos afastar de uma vida em Paz com Deus e conosco é um inimigo a ser vencido. E todos os nossos inimigos devem ser levados ao conhecimento de Deus, citados nome por nome, através da nossa confissão em oração. Reconhecer nossos medos, falhas, anseios, paixões, decepções, nem sempre é fácil mas é sempre poderoso.

Orienta. Reanima. Fortalece. Levanta. Dá-nos autoridade para segurar a maçaneta das frustrações e girá-la para a direção certa: a da superação. Porque há som de vida lá fora. Vida que nos chama. Vida que nos encanta. Vida com a qual sonhamos, e tudo o que precisamos fazer para alcançá-la é atravessar a porta.