quinta-feira, 19 de julho de 2012

Respostas


A Bíblia em um ano:
Provérbios 25-28


Imagem: Google.

 

“Não tenha medo, Daniel. Desde o primeiro dia em que você decidiu buscar entendimento e humilhar-se diante do seu Deus, suas palavras foram ouvidas, e eu vim em resposta a elas.”
Daniel 10.12



As respostas de Deus muitas vezes nos assustam. Quando não são totalmente contrárias àquilo que esperamos, são incalculavelmente além daquilo que imaginamos, de forma que Ele sempre nos surpreende.

Daniel ficou atônito com a visão que teve em resposta às suas orações, e isso causou-lhe medo, a ponto de prostrar-se e não ter mais forças. Mas é interessante notar que o mesmo Deus que deu uma resposta tão intensa a Daniel também o sustentou de pé para lidar com aquela nova revelação (Daniel 10.15-19).

Quando Deus, sábia e necessariamente, nos responde contrário aos nossos anseios, nosso coração fica triste, nosso dia acinzenta-se, e de longe observamos os pássaros em liberdade, ora pousando aqui e ali, ora alçando vôos na direção que bem querem, enquanto nós permanecermos aprisionados por um “não” que parece congelar nossas vidas por um instante – instante que mais parece uma eternidade.

Às vezes, como gatinhos que querem voar – ou se aventurar – até nos arriscamos a dar uns pulinhos cá e lá, rumo aos pássaros, e é bem possível que num desses momentos de inquietude da alma fiquemos pendurados no fio de um desses postes da vida, em busca de não sei exatamente o quê.

Mas fios de postes são mais apropriados para pombinhas e outras aves, não para gatos (e gatas) carentes e ansiosos. Então, Deus, com santa paciência, incomparável bondade e infinita misericórdia, nos tira de lá e nos coloca no chão outra vez, onde certamente estaremos mais seguros.

Contudo, os pássaros ainda voam. E, de certa forma, levam nossos desejos com eles.

Até que, de repente, Deus nos surpreende com mudanças: um novo bem, um novo emprego, uma nova casa, uma nova amizade, um novo amor, um novo filho, uma nova esperança, uma nova expectativa de vida. Novo caráter, novos sentimentos, novos desafios, novas rotinas, novas agendas, novos lugares, novas pessoas, novos conceitos, nova visão, nova vida!

Pena que nem sempre nós sabemos lidar com essas mudanças. Incertezas, medos, orgulho,  insegurança pessoal geralmente vêm acompanhando as bênçãos de Deus para nós, tão intrusos como aqueles penetras arruaceiros que não foram convidados para a festa.

E é por isso que muitos de nós acabam perdendo bênçãos tão preciosas que o Senhor nos traz. Não damos o devido valor nem a devida atenção, ou porque não sabemos, ou porque não queremos, ou porque temos medo de fazer isso.

Não, não é porque não podemos. As bênçãos do Senhor nos enriquecem, nos causam alegria, uma euforia que disputa lugar com uma paz inexplicável dentro do nosso coração. Uma certeza de estarmos no caminho certo mesmo sem sabermos para onde estamos indo. E as bênçãos do Senhor não vêm carregadas de dor alguma (Provérbios 10.22).

Por isso, não devemos desfalecer se somos surpreendidos com respostas que não esperávamos ou com respostas que parecem nos colocar muito além de onde nós pensamos que deveríamos estar, muito além do que pensamos ser condizente com a nossa realidade.

Ninguém melhor que Deus conhece cada detalhe da nossa estrutura e, se Ele está nos dando uma resposta – seja ela qual for – Ele também é poderoso para nos manter em pé diante dela.