quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Deus ainda sussurra nossos nomes...


A Bíblia em um ano:
Daniel 1-3

Imagem: Google.


"Portanto, meus amados irmãos, mantenham-se firmes, e que nada os abale. Sejam sempre dedicados à obra do Senhor, pois vocês sabem que, no Senhor, o trabalho de vocês não será inútil."
1Coríntios 15.58


Fiquei maravilhada em receber o prospecto dos primeiros capítulos do livro (já terminado) de um irmão em Cristo, que nos acompanha há algum tempo pelos devocionais. É sua primeira obra, e, tenho certeza, será a primeira de muitas, não somente pelo fato de haver nela uma qualidade textual e ampla fundamentação bíblica, mas principalmente pela revelação da Palavra que foi evidenciada e norteou toda a sua tese.

Com simplicidade e contundência, o autor Rodrigo Silva explana sobre as manifestações da vontade de Deus através das nossas próprias vontades, tão logo o Criador ocupe o Trono do Seu Reino em nossos corações.

A vida do homem verdadeiramente renascido da água e do Espírito é a expressão da perfeita, boa e agradável vontade de Deus (Romanos 12.2), uma vez que o homem inicialmente criado à imagem e semelhança do Senhor, caiu e perdeu-se com o advento do pecado, foi achado e religado a Deus por Cristo (Lucas 19.10), e agora expressa novamente a imagem e semelhança do Senhor, podendo viver a Sua santidade, praticar a Sua bondade, amar com Seu amor, perdoar com Seu perdão, andar em íntima e santa comunhão com o seu Criador, como Adão, quando no Éden (Gênesis 3.8).

Princípios fundamentais do Reino de Deus, como os que alicerçam a família, os filhos, o próprio Deus, os relacionamentos, são abordados de forma clara e objetiva, apontando sempre para a direção da restauração e estruturação sólida desses temas, de forma a tornar esses valores e conceitos agradáveis, santos e eternos. Apontam, portanto, para o próprio Deus e Senhor, o único caminho, a única verdade, a própria vida!

Muito interessante sabermos (ou, antes, sermos relembrados) que mesmo com tantas besteiras que fazemos, Deus continua insistindo em chamar nossa atenção para Sua graça, manifesta em perdão, bondade, fidelidade, amor e misericórdia que se renova a cada manhã sobre nós e não nos deixa ser aniquilados da existência (Lamentações 3.22-23).

Aliás (deixando um pouco de lado a resenha sobre o livro, mas ainda a estender o assunto), Deus é aquela pessoa que nunca desiste de nós. Por vezes, nós nos escondemos em cavernas e Ele vai até pessoalmente lá nos buscar. Fugimos para dentro de porões de navios, e Ele nos encontra e coloca de volta na rota original. Brincamos com o pecado até que este nos domine e cegue nossos olhos, e mesmo assim o Senhor Se faz presente e nos dá força para honrarmos Seu nome nos últimos minutos das nossas batalhas, mais do que o fizemos a vida inteira. Desacreditamos que o Senhor esteja vivo e esteja aqui, mas Ele vem pessoalmente, estende Suas mãos, e não somente mostra-nos os sinais dos cravos: Ele nos permite tocar neles e comprovar que verdadeiramente Suas palavras não passam.

Deus é aquela pessoa que nos desperta pela madrugada sussurrando nosso nome, e não Se importa em nos encontrar descabelados, sonolentos, caras amassadas pelo travesseiro. Ele não Se importa de ficar ao nosso lado o tempo todo mesmo quando estamos irritados ou introspectivos, calados, recolhidos.

Ele suporta nossos momentos de fúria e aplaca nossa ira pacientemente, com a mesma mansidão com que nós lidamos com quem nos oferece um buquê de flores. E Ele lida com as angustiantes feridas do nosso coração como um pediatra lida com os arranhões nos joelhos da criança que caiu da bicicleta.

Deus não nos recusa. Ele não nos faz pensar por um momento que somos queridos e, no outro, nos rejeita – embora muitas vezes nós realmente nos deixamos convencer que Ele esteja fazendo isso. Porém, Deus não mente quando nos abraça e diz palavras carinhosas às nossas almas.

Deus não nos olha com quem precisa de um favor e nos procura quando tem interesse. Ele nos olha como um pai que sabe que precisamos ser amados e curados, e nos oferece Seu colo de amor incondicional, despretensiosamente.

E porque tem o desejo de nos ensinar a sermos como Ele, é que Deus nos chama outra vez, e outra vez, e outra vez a olharmos para Ele de uma maneira muito especial: como filhos que reconhecem que precisam e aceitam os cuidados do Divino Pai. E agora, quer reforçar esse chamado através do livro do irmão Rodrigo Silva.

Por não ter solicitado previamente ao autor autorização para divulgar um pequeno trecho da obra, e nem para divulgar o nome (pois o livro ainda não foi impresso), não poderei expor mais do que já fiz sobre esse nobre trabalho em apreço, mas já compartilho que trata-se de (mais) uma grande bênção para nossas vidas.

Contudo, fica o apelo para você que é editor ou trabalha numa editora, e tomou conhecimento sobre o assunto: “Deixe Deus te usar!”. Entre em contato com o irmão Rodrigo e ajude esse trabalho chegar impresso ao público. Será um grande benefício para todos. Afinal, sendo imagens e semelhanças de Deus, é através de nós mesmos que o Senhor fala ao mundo.

É através dessas pequenas brasas que Ele anda reacendendo a chama do Espírito Santo nos corações.

É através dessas suaves brisas que nós podemos ouvi-Lo novamente sussurrando nosso nome e nos chamando para uma nova vida.