domingo, 21 de outubro de 2012

O Deus que purifica o Seu povo


A Bíblia em um ano:
Marcos 1-3


Imagem: Gold refined by fire (Ouro refinado pelo fogo).  Disponível no Google.


“Voltarei Minha mão contra você; tirarei toda a sua escória e removerei todas as suas impurezas”.
Isaías 1.25, NVI




Quão assustadoras e, ao mesmo tempo, consoladoras, são as palavras de Jeová nesse versículo. Os mais cuidadosos leitores notarão que, aqui, não se trata de uma linguagem dócil e calma, mas de gritos de amorosa fúria por causa dos pecados da nação de Judá! É como se pudéssemos sentir a indignação e a inconformidade do Eterno para com o povo, que insistia em se desviar de seu Deus e praticar as mais nojentas abominações, ao ponto de Jerusalém ser chamada de “Sodoma” (v. 10), “povo de Gomorra” (v.10) e “prostituta” (v. 21).

O chamado ao arrependimento havia sido dirigido a um povo surdo espiritualmente, que tapava os ouvidos para quem lhes anunciasse o Santo de Israel. Agora, a ira do Senhor se havia acendido como um incêndio, e suas poderosas chamas de juízo se aproximavam com toda a intensidade para fulminar os rebeldes e lhes retribuir segundo suas más obras. Mas, em meio àquele fogaréu da justiça divina, novas labaredas surgiram, e foram em direção aos que se arrependeram: era o fogo purificador, como quando se purifica a prata e ouro.

“Voltarei minha mão contra você”. Sim, Judá, você é rebelde e obstinada, mas o seu Marido não suporta mais te ver imunda e vivendo em adultério espiritual. Ele virá com força e, com Sua mão poderosa, arrancará de você as imundícies e sujeiras com as quais você se banhou e se cobriu quando O deixou. O que Ele disse sobre Israel, também cabe a você: “Eu a castigarei pelos dias em que ela queimou incenso aos baalins; ela se enfeitou com anéis e joias, e foi atrás dos seus amantes, mas de mim, ela se esqueceu... Portanto, agora vou atraí-la; vou levá-la para o deserto e vou falar-lhe com carinho” (Os 2.13,14).

“Não é tal apelo a Judá uma voz para nós?”, indagou William Kelly (1821-1906). Sem dúvidas! Nosso Senhor morreu para purificar um povo de Seus pecados, e torná-lo santo e irrepreensível diante Dele, em amor. “... Cristo amou a igreja e entregou-se a si mesmo por ela
para santificá-la, tendo-a purificado pelo lavar da água mediante a palavra, e apresentá-la a si mesmo como igreja gloriosa, sem mancha nem ruga ou coisa semelhante, mas santa e inculpável” (Ef 5.25-27). Não está escrito no Cântico: “Tu és toda formosa, meu amor, em ti não há mancha” (Ct 4.7)? Assim, O Salvador veio aos Seus escolhidos e lhes disse: “Consagrem-se, porém, e sejam santos, porque Eu sou o Senhor, o Deus de vocês” (Lv 20.7).

Se Jesus nos ama tanto assim, e desse amor nos deu provas irrefutáveis, como podemos insistir em ignorar Sua presença? Por que a presença de outros parece tão mais atrativa do que a presença do Esposo de nossas almas? Por mais fantásticas que sejam as promessas do pecado, elas nunca poderão ser cumpridas. Ele nos dará um prazer momentâneo (Hb 10.25), que rapidamente vai embora, como o sol que se põe no fim do dia. Mas Cristo nos dá motivos para sorrir todos os dias. O Seu amor é mais deleitável que qualquer encanto terreno, e qualquer que Nele confia e espera possui uma paz interior e verdadeira, a qual o mundo não pode dar. O aconchego que a esposa encontra nos braços de seu marido não se iguala ao que a Igreja desfruta nos braços de Cristo Jesus.

Crente, Deus não nos chamou para a imundícia, mas para a santificação. O mundo é sedutor e o diabo, conhecedor de nossa natureza pecaminosa, coloca armadilhas nos esconderijos mais improváveis e emboscadas nos lugares mais encantadores. Se você caiu nas ciladas do pecado, não se desespere. Olhe para o seu Salvador, com arrependimento, e Ele virá com mão forte, a seu favor, e te lavará de toda a sujeira e pensamentos impuros. Com Seu sangue, purificará nossa consciência das obras mortas e infrutíferas que praticamos. Com o santo fogo do Espírito, ele reduzirá “pecadinhos” e “pecadões” ao pó.

Sua graça nos basta, e Seu amor nos constrange; portanto, confie nas promessas do Senhor de toda a santidade, que brevemente voltará para buscar Sua santa Noiva, sem ruga nem mancha alguma.

Nele.

[Gentilmente cedido pelo Pedro Henrique  do  Alvo mais que a neve.]