quinta-feira, 11 de outubro de 2012

O mesmo Deus...


A Bíblia em um ano:
Zacarias 7-11



“Por que você reclama, ó Jacó, e por que se queixa, ó Israel: ‘O Senhor não Se interessa pela minha situação; o meu Deus não considera a minha causa’? Será que você não sabe? Nunca ouviu falar? O Senhor é o Deus eterno, o Criador de toda a terra. Ele não Se cansa nem fica exausto; Sua sabedoria é insondável.”
Isaías 40.27-28


Imagem: Google.

Às vezes, como uma borboleta pousando de flor em flor, saboreando em cada uma delas uma porçãozinha de doce néctar, eu me pego sobrevoando as obras de Deus, pousando em meus pensamentos, a refletir sobre a engrenagem do universo, fascinada a beber porçõezinhas da beleza e engenhosidade de como tudo isso funciona.

As águas, que não são seres vivos, mas nascem, se esparramam, se misturam, se avolumam, correm incessantemente. Se encontram, se envolvem, continuam, se desviam dos obstáculos, e respeitando a gravidade seguem incansavelmente um curso que jamais perdem de vista. Até que se encontram com o mar. Ali, num fenômeno suntuoso e único, a cada segundo abraçam o oceano com a força de uma paixão inexplicável, para nunca mais deixá-lo. Para tornarem-se um para sempre.

As estrelas no céu, uma cortina de esplendor a nos cobrir todas as noites. Ou será um tapete reluzente para a Majestade Santa caminhar por sobre a terra? Zilhões desses seres celestes luzindo, iluminando o nada, enfeitando tudo, inspirando almas, provocando desejos e sonhos. Em conjunto com cometas, planetas, asteroides, luas, sóis e tantos outros corpos espaciais, compõem uma orquestra extraordinariamente grande e imponente, que impressiona e enternece por sua beleza e perfeição absoluta, por sua complexidade e simultânea harmonia existencial.

Um fascínio me arrebata os sentidos, quando me deparo com árvores floridas (lindas, lindas, lindas!), exibindo esplendor num ecossistema tão diversificado e amplo, se destacando com uma simplicidade descomunal. E, sem nenhum exibicionismo ou provocação, roubam a cena de qualquer paisagem, chamando (exageradamente) a atenção de qualquer um de nós. (E pensar que joaninhas, besouros, lagartas, aranhas – insetos, a plebe na natureza – são bem vindos, encontram acolhida e passeiam livremente pelos palácios das copas daquelas rainhas...)

Uns grandes e outros pequenos. Uns coloridos e outros monocromáticos. Uns graciosos e outros esquisitos. Uns curiosos, outros extravagantes. Uns charmosos e outros desajeitados. Uns medrosos e outros valentes. Uns leves e outros pesados. Uns delicados e outros robustos. Uns tímidos e outros invocados. Uns muito sensíveis e outros muito brutos. Uns lentos e outros bastante agitados. Bichos, bichos, bichos... Bichos por todos os lados! Cada um com sua identidade única, uma espécie de impressão digital que o Criador implantou em cada animal, de forma que não existem dois iguais. E mesmo com todas as suas diferenças, se entendem, se respeitam, e respeitam o curso natural de uma cadeia que não pode parar. E assim a vida se encerra, recomeça e prossegue, num infindo e curioso ciclo.

Ora coberta por imensos tapetes de pastos verdejantes. Ora nua, expondo a grandeza das rochas, desde curtos pedregais a penedos gigantes. Ora vestida de areia e adornada de oásis em veneráveis desertos. Ora guardada debaixo de um manto, de um cândido e espetaculoso manto de gelo. Ora tatuada de rios e lagos. Ora fantasiada pelas incríveis formas e cores dos cerrados. Assim essa multiforme terra se apresenta diante dos nossos olhos, permitindo-se pisar pelos nossos pés, permitindo-se usar pelas nossas mãos, e nos oferecendo tudo o que precisamos para sobreviver, qual uma mãe afavelmente amamentando seu filho no peito.

E tantos outros caprichos da natureza eu poderia descrever, das minhas observações sobre o equilíbrio em manter coisas tão grandes e fabulosas que Deus criou, sem que haja nenhuma contradição, nenhum discordância, nenhuma arritmia, nenhuma desconexão.  

Isaías soube escrever sobre isso melhor do que eu. O capítulo 40 do seu livro é um glorioso lembrete sobre o poder, a sabedoria, a ciência e a perfeição que existem nas coisas que Deus criou. E não só isso: É também um lembrete sobre quem é e do que é capaz o nosso Deus.

Creio que tudo o que existe é uma amostra de quão grande e poderoso é o Senhor. E está aí, bem ao alcance dos nossos olhos, por todas as direções em que nos voltarmos, para nos lembrar quem Ele é e como trabalha.

Diante de uma reflexão a esse respeito, meus ombros caem. Com semblante envergonhado, me encolho em mim mesma e suspiro lentamente... Pois inevitavelmente concluo que se Deus foi capaz de criar todas essas coisas unicamente com palavras, quão mais perfeita ainda será a obra que Ele está realizando com Suas próprias mãos em minha vida...

O problema que parece tão grande pra mim, para o Senhor Deus é como um copo sujo que precisa ser lavado. A dor que me arrebata muitas vezes e me despedaça por dentro, para Ele é como uma peça de roupa a ser trocada.

O quê?
Ouvi você dizer que parecem comparações exageradas ou ingênuas?

Exageradas são as nossas preocupações e ansiedade, quando esse mesmo Deus é o Senhor das nossas vidas. Ingênuas são as nossas tentativas de resolver nossas vidas com nossas próprias forças e sabedoria, dispensando (ou desprezando) a intervenção desse Deus, que já Se prontificou a cuidar pessoalmente de tudo o que nos diz respeito.

Certamente esse pensamento não está constantemente em minha mente, e essa certeza nem sempre encontra guarida no meu coração. (Por que você está rindo?) Afinal, em quem encontraria? Seres humanos tendem a duvidar, não é? Gente que é gente tem medo, tem dúvidas, tem limitações, tem carências. Seres humanos normais sentem desconforto, sofrem, choram, se irritam, e até se desesperam em alguns momentos.

Olhar para os encantos e a perfeição das obras da Criação, refletir sobre a maneira habilidosa com que tudo isso funciona, faz toda diferença. É uma das maneiras mais inteligentes e fáceis de enxergar Deus em plena atividade. Creio que Ele já deixou tudo isso bem diante dos nossos olhos para que não nos restassem dúvidas sobre quão maravilhoso Ele é e quão excelentes são as coisas que Ele intenta fazer por nós e em nós.

Então, quando nossos corações forem saqueados pelas circunstâncias adversas, e a paz for exaurida do nosso ser, nos fazendo duvidar sobre a presença, os sentimentos e as intenções do Senhor para com nossas vidas, paremos por alguns instantes e meditemos na grandeza de todo esse universo que nos cerca.

Isso nos fará lembrar que o Dono da voz que a tudo isso formou, também é o dono das mãos que Se empenham com paciência e destreza no trabalho em nosso favor.