sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Para não parar...


A Bíblia em um ano:
Atos 22-24

Imagem: Google.


Não fiquem com medo, pois estou com vocês; não se apavorem, pois Eu sou o seu Deus. Eu lhes dou forças e os ajudo; Eu os protejo com a Minha forte mão.
Isaías 41.10


A tendência natural de todo ser humano diante de uma situação incompreensível é parar. Alguns param para estudar o caso e raciocinar. Outros, por se embasbacarem ao se deparar com uma adversidade. Há quem pare por medo. E há quem pare por desacreditar que não poderá passar dali adiante.

Vez em quando, alguns alunos meus, diante dos desafios que eu lhes propunha em sala de aula, começavam a chorar. Uns mais destemidos tinham coragem de me procurarem rapidamente para solicitar ajuda. Outros, tentavam esconder o choro, mas logo eram denunciados pelos seus colegas. Queriam resolver sozinhos às questões propostas, mas tinham limitações e não estavam muito cientes disso.

Bem, eu confesso que não sou a professora mais doce do mundo, mas admito que tenho um carinho muito especial pelos alunos que têm maior dificuldade de aprendizagem, porque são esses que realmente precisam de mim. E sempre me senti muito bem vendo aquelas mãozinhas ligeiramente esfregarem o rostinho, enquanto um brilho novo brotava daqueles olhinhos me vendo dizer: “...Mas é exatamente por isso que estou aqui: Para te ajudar.

Que diferença faz ter alguém mais experiente por perto, não é? Quanta segurança podemos encontrar em pessoas mais hábeis e capacitadas que nós... E se seres humanos nos fazem sentir tão bem diante da fortaleza que nos oferecem, pense quanto melhor pode nos fazer o Senhor! Foi Ele quem criou os seres humanos e lhes capacitou para ajudarem uns aos outros. Ele sabe, então, fazer isso por nós melhor do que qualquer um deles – ou todos eles juntos poderiam fazer.

Chegam momentos na vida da gente que nós não pedimos para viver. Dores que nós nunca imaginamos que sentiríamos. Situações tão apertadas e desconfortantes que nó chegamos mesmo a duvidar se Deus ainda está por perto. E isso é normal. Somos humanos. Somos limitados. Somos sensíveis. Assim como foram muitos nomes citados pela Bíblia que questionaram o Senhor em momentos difíceis (como Jó e alguns salmistas), que fugiram de uma responsabilidade (como Elias e Jonas), que colocaram Deus à prova (como Jacó e Gideão), que temeram e colocaram empecilhos (como Moisés e Jeremias), que pediram para Deus mudar Seus planos (como Paulo e o próprio Jesus).

Todos esses e muitos outros também quiseram parar. Se não parar com os motivos pelos quais suas situações de dores eram provocadas, mudar de rota e fazer parar a própria situação.

Vez em quando eu quero parar. Você também. Nós pensamos que se mudássemos de cidade ou de país e recomeçássemos nossa vida do zero, finalmente teríamos paz. Mas Deus não pensa assim. Aliás, Deus nunca deixa nada para trás.

Você já deve ter lido as histórias de Jesus. Por onde Ele passou, foi concertando as coisas e colocando tudo de volta no seu devido lugar. Os doentes tornaram-se sãos. Os famintos foram alimentados. Os pecadores foram perdoados. As culpas foram apagadas. Os perdidos foram iluminados. As mentiras foram denunciadas. O caminho torto foi ajustado quando, por ele, passou o Senhor.

Se Ele está passando pela sua vida, nada vai ficar para trás sem que seja endireitado no tempo certo. Porque Deus sabe que de tudo o que fugimos, cedo ou tarde reencontraremos, e havemos de continuá-lo até que seja consumado.

Conta uma história que, durante uma guerra, uma criança fugia com seu pai dos bombardeios, até que encontraram uma vala funda e escura. O pai combinou com a filha que ambos se esconderiam ali, e que ele pularia primeiro para, então, segurá-la. E assim fez.

As explosões durante o combate produziam clarões do lado de fora da vala. A menina, porém, sentiu medo de pular e ficou parada do lado de fora do buraco, enquanto o pai lhe chamava. “Não posso pular, papai, pois não estou vendo o senhor aí, dentro dessa escuridão” – Disse a menina. E o pai, prontamente, respondeu: “Não tenha medo, querida. Pode pular. Daqui, eu estou vendo você com os clarões, e não te deixarei cair.

Será que essa não é também a voz do Senhor nos contando hoje que Ele está nos vendo e não nos deixará cair? Será que Ele também já não foi primeiro e percebeu que o lugar onde Ele está é seguro o bastante para nos abrigar? Será que não estamos ouvindo Sua voz dizendo para prosseguirmos, não pararmos, não desistirmos, mas avançarmos com confiança, mesmo que não O vejamos?

Sozinhos, realmente, não enxergamos dentro das valas. Não sabemos quão profundas são. Não sabemos o que mais há lá dentro. Mas nosso Pai Celeste está dizendo que nos segurará quando pularmos. Ele está nos enxergando muitíssimo bem. E Ele não quer que paremos.

Deus até para, para nos esperar, para nos orientar. Não para desistir. Ele quer que, em vez de usarmos nossas mãos para esmurrarmos o vento tentando encontrar um porquê às nossas lutas e dores, usemos nossas mãos para esfregar ligeiramente nossos rostos molhados, enquanto ouvimos Sua doce voz nos dizer: “Bem, é exatamente para isso que estou aqui: Para te ajudar...