quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Mais uma vez...


A Bíblia em um ano:
Apocalipse 4-8


Imagem: Google.


“Se somos infiéis, Ele [Jesus] permanece sendo fiel, pois não pode negar-Se a Si mesmo.”
2Timóteo 2.13


Não. Tomar conhecimento desta verdade não significa que nós podemos viver sem temor, fazendo tudo o que sentirmos vontade de fazer, confiando na fidelidade de Cristo que sempre nos lembrará sobre quem Ele é e o que é capaz de fazer por amor a nós.

Tomar conhecimento desta verdade significa, sim, que quando nós cairmos (e nós vamos viver momentos de quedas e frustrações pois não somos super seres com super poderes), teremos a fidelidade do Senhor em nosso favor, Seu amor, Seu cuidado nos ajudando a levantar e recomeçar a caminhada da vida mais uma vez.

Sem julgamentos, sem acusações, sem desacreditar de nós, Ele estará lá, porque Ele é fiel e não pode negar-Se a Si mesmo. Prometeu que estaria. Prometeu que ajudaria. E assim o faz sempre que, humilhados aceitamos Seu perdão e ajuda para nos erguer e continuar.

“Nenhum dos Teus planos será frustrado”, disse Jó, um homem que conheceu Deus muito de perto (Jó 42.2,5). Experimentou a doce graça de recomeçar sua vida mais perto de Deus e constatou que Ele espera, pacientemente, até o momento certo de dar Sua obra por concluída.

O conselho de hoje, para mim e para você é: RECOMEÇAR... MAIS UMA VEZ. E outra vez. E mais outra. De novo. Quantas vezes forem necessárias!

“Pois se morremos com Ele, com Ele também viveremos [na eternidade];
  se perseveramos, com Ele também reinaremos [para sempre].
  Se O negarmos, Ele também nos negará [perfeita justiça!];
se somos infiéis, Ele permanece fiel, pois não pode negar-Se a Si mesmo.” [Graça sem igual!] (2Timóteo 5.11-13)

Concordo com Phillip Yancey, ao observar que “a graça é mesmo injusta, pois no dá aquilo que nós jamais merecemos!” (Maravilhosa Graça, Editora Vida, 2002).

Até que tamanho nosso ato de infidelidade pode ser perdoado por Deus? Até enquanto nós conseguirmos imaginar um tamanho para ele, pois o amor de Deus será ainda maior. Sua disposição em nos ajudar a recomeçar também. Então, em vez de fugir, voltemos, ao Senhor, quebrantados e contritos,  dispostos a mudar, mais uma vez.

Essa é a porta para o triunfo. O banquete da vitória final está pronto, do outro lado dela, nos esperando.