domingo, 20 de janeiro de 2013

Depois da cura...

Imagem: Jesus passando lodo nos olhos de um cego de nascença. Cena do filme O Evangelho segundo João (2003).

“Jesus ficou sabendo que tinham expulsado o homem da sinagoga. Foi procurá-lo e, quando o encontrou, perguntou: Você crê no Filho do Homem?
Ele respondeu: Senhor, quem é o Filho do Homem para que eu creia Nele?
Jesus disse: Você já O viu! É Ele que está falando com você!
Eu creio, Senhor! – disse o homem. E se ajoelhou diante Dele.”
João 9.35-38


É curioso como a vida parece se contradizer quando tudo o que acontece conosco está sob a supervisão do Senhor.

O cego de nascença (João 9), depois que voltou a enxergar, não encontrou à sua frente uma multidão de pessoas lhe aplaudindo e se alegrando pela grande vitória que recebeu. Mas enfrentou olhares curiosos de gente especuladora, duvidosa e acusadora.

Ele não encontrou cumplicidade da parte dos seus pais. Nem mesmo recebeu aquele abraço emocionado dessas pessoas tão próximas da sua vida, pela graça que recebeu. Ao contrário, foi abandonado por elas diante dos doutores da lei, e experimentou a covardia de quem, mais do que nunca, deveria acolhê-lo.

Tampouco aquele ex-cego recebeu alguma honra, ou mesmo uma congratulação apenas, dos “santos homens de Deus”, por ter recebido desse mesmo Senhor um milagre tão incrível. Antes, foi por eles incompreendido, desprezado, humilhado e expulso daquele meio.

A vida de quem passa a enxergar depois de ter contato com Jesus, vê tudo isso. Que o mundo aqui fora é bem mais severo e hostil do que nos ensinam dentro das quatro paredes de um templo religioso.

Quem é tocado pelo Senhor e passa a enxergar o caminho que o Eterno propõe à sua frente, percebe que a vida de quem toma a cruz e segue dia após dia atrás de Jesus, não recebe convites para fazer poses e dar entrevistas diante dos holofotes. Não pode parar e colher flores que desabrocham no caminho. Não condiz com essa facilidade toda que pregam por aí.

Ao contrário, condiz mais com renúncia, solidão, rejeição, perseguições, calúnias, afrontas. Condiz mais com fugas em cavernas, naufrágios em alto-mar, silêncio das prisões, fornalhas, desertos e covas de leões, abandono em cisternas. Até mesmo a sinagoga parece fechar suas portas para gente assim.

Mas só quem, de fato, passou a ter visão em Cristo, consegue enxergá-Lo além de tudo isso, mesmo quando seus olhos não podem vê-Lo em redor. Mesmo quando nenhuma circunstância pode sustentar a sua fé. Mesmo quando o peso da cruz parece estar esmagando os seus ombros e ninguém há por perto que possa ajudar. (Diferente de quem vive de emoções...)

Porque só quem foi, de fato, tocado por Jesus e recebeu o milagre de uma nova visão, mesmo inconformado com tudo consegue manter paz em seu coração, e mesmo quando todos vão embora prossegue serenamente, até que mais à frente seja encontrado pelo Senhor, e adore pessoalmente Àquele de quem todos os outros, até então, só ouviram falar.