sábado, 30 de março de 2013

Marca-texto, anotações e ações de graças...

By Elaine Cândida, com imagens do Google.


“Cantem hinos a Deus, o Senhor, todos os moradores da terra!
Adorem o Senhor com alegria, e venham cantando até a Sua presença.
Lembrem que o Senhor é Deus.
Ele nos fez, e nós somos Dele; somos o Seu povo, o Seu rebanho.
Entrem pelos portões do Templo com ações de graças,
entrem nos Seus pátios com louvor.
Louvem a Deus e sejam agradecidos a Ele.
Pois o Senhor é bom;
o Seu amor dura para sempre,
e a Sua fidelidade não tem fim.”
Salmos 100 - NTLH


Dizem por aí que os livros impressos muito em breve serão substituídos pelos digitalizados. Honestamente, não acredito nem um pouquinho nisso, porque muita gente apaixonada por leitura (como eu) tem o prazer de sentir o toque, o cheiro, os sons produzidos no virar das páginas de um bom livro impresso, seja ele que tamanho ou espessura for.

E eu, particularmente, tenho o hábito de ler fazendo grifos e anotações nos trechos que me chamam a atenção naquela obra. Todos os meus livros, textos, apostilas e Bíblias são coloridos, pintadinhos de canetas marca-textos de todas as cores, e com anotações nos espaços em branco, nas margens, e até nas entrelinhas. Quando não disponho dessas canetas especiais, apelo ao sublinhado com uma caneta comum mesmo, dessas esferográficas. “Um esbandalho”, já me disseram. Pessoalmente, eu chamo de “técnicas de segurança pessoal”.

Vez por outra, preciso rever alguns desses trechos, principalmente quando em meus estudos e pesquisas. E preciso fazer isso rápido. Muitas vezes não dá pra ficar revirando livros de centenas de páginas, de trás para frente e de frente pra trás, em busca de uma frase ou um parágrafo importante, que poderia ser encontrado com muita facilidade se tivesse sido grifado quando foi lido pela primeira ou pela segunda vez. Minhas anotações e grifos me socorrem muito bem nessas horas...

Com o advento da era digital, muitas coisas que ando lendo estão em ambiente virtual, e isso complica um pouco minha vida no momento de grifar o que me interessa. Mas muitos ambientes virtuais possuem a ferramenta highlight – realce do texto –, bem como sistemas de inserção de comentários e anotações paralelos ao texto. Esses recursos já ajudam. Mas ainda assim, muitas vezes prefiro imprimir o conteúdo e dar vazão às minhas canetas...

Acho interessante como há atitudes tão simples que tornam nossas vidas tão mais fáceis em muitos momentos complicados. Lembrar de uma frase interessante, de uma máxima verdadeira, de uma colocação sucinta e objetiva de alguém mais experiente pode fazer toda a diferença quando nos faltam argumentos. Lembrar hoje de trechos importantes do passado, então, é essencial para que nosso futuro não se perca no vazio.

E – creio – foi pensando nisso que Deus nos deu uma ferramenta marca-texto permanente capaz de destacar fatos importantes da nossa história. Não é uma caneta, é uma faculdade. E tem um nome mais propício: chama-se memória.

Nós temos a tendência natural de esquecermos – ou negligenciarmos – coisas importantes que nos aconteceram, principalmente quando situações ruins dão o ar da graça. Temos a tendência de murmurarmos e reclamarmos de tudo, como se nada de bom tivesse ocorrido em nossas vidas até então. Essa postura hostil que não reconhece os benefícios recebidos da Divina Mão é denominada ingratidão, e fere o coração de Deus.

Várias vezes a Bíblia convoca os homens a oferecerem ações de graças ao Senhor. E não o faz expondo condições, do tipo: “Se recebeste uma bênção, rendei ações de graças ao Senhor.” Não. Simplesmente nos instrui a rendermos graças ao Senhor por todas as coisas. E o faz por motivos muito simples.

Deus, na Sua infinita grandeza e sabedoria, enxerga o que nós não conseguimos enxergar, tanto dentro quanto fora de nós. E Ele, mais do que ninguém, conhece bem as consequências de um coração não tratado ou de um futuro mal traçado. Ele trabalha em nós hoje para que nós possamos ter um amanhã iluminado, calçado em escolhas corretas.

Nas profundezas do nosso ser, onde nunca imaginamos existir, Deus chega e atua, muitas vezes causando-nos dores necessárias para que a cura seja realizada, a liberdade seja estabelecida, a transformação seja, enfim, concebida. E hoje Ele faz assim para que amanhã saibamos fazer o que é certo, não nos percamos por caminhos acidentados, desnivelados, ainda mais sofríveis.

Além disso, Deus – mais que ninguém – combate em nosso favor no reino espiritual. E só Ele é capaz de dizer quantos livramentos tem nos dado no nosso dia a dia, onde não vemos, quando não esperamos. Muitos benefícios do Eterno em nosso favor, somente conheceremos na eternidade. Ou nem isso. Pode ser que permaneçam eternamente em segredo. Basta-nos saber que o Deus que nos criou é forte e sábio o suficiente para cuidar de nós, e tem feito isso até aqui com muito rigor.

Por isso, dar graças ao Senhor em todo o tempo é mais que uma demonstração de fé do cristão. É uma satisfação plena.

Dar graças ao Senhor mesmo nos momentos mais difíceis é sinal de um coração que sabe amar a Deus pelo que Ele é e não apenas pelo que Ele pode fazer por nós. É demonstração de gratidão a Ele pelo Seu cuidado que, muitas vezes, excede nossa compreensão, mas que sempre surpreende, quando traz à existência bênçãos maiores que as que imaginávamos e resoluções perfeitas sobre circunstâncias improváveis.

Ser grato em todo tempo é guardar na memória momentos onde a graça se manifestou generosamente, produzindo exatamente o que precisávamos – e não necessariamente o que queríamos. É grifar trechos importantes da vida onde Deus mostrou quem Ele é, para que não esquecêssemos que Ele não muda.

Um coração grato ao Senhor se lembra constantemente da Sua bondade, da Sua misericórdia, e mesmo que não enxergue um palmo adiante acerca do futuro, louva o nome do Deus que mantém nossas vidas bem seguras em Suas mãos, e O louva porque viu nos trechos destacados do seu passado a fidelidade imutável do Eterno Pai.

Gratidão. Esse deveria ser o nome do livro das nossas vidas. E esse livro deveria estar cheio de trechos grifados e anotações do tipo: “Aqui, meus olhos viram o Senhor.