domingo, 13 de abril de 2014

Mesmo na escuridão...


Imagem disponível na Internet.


“A Tua Palavra é uma lâmpada que ilumina o caminho por onde eu ando.
Ela me ajuda a não tropeçar!”
Salmos 119:105 – Viva


Repetição, mesmice não é bem o meu forte. Vivo sempre inventando um jeito modificado de cumprir as minhas obrigações, pra não deixar que se tornem monótonas e, assim, não deixar a rotina virar rotina. Ser professora e pintar telas, inclusive, são duas ocupações que passam bem longe dos serviços burocráticos, me permitindo a liberdade de criar e inovar sempre – com todo respeito e admiração às demais profissões, inclusive àquelas que prendem as pessoas atrás de uma mesa e à frente de um computador e de pilhas de papel... Todas têm a sua importância e os seus admiradores pessoais.

Contudo, também não sou o tipo de pessoa extravagante – aliás, sou até tímida demais. Ocorre que, vez em quando, eu me pego fazendo algumas coisas inusitadas... E hoje, por ocasião da falta de luz, eu inovei mais que nunca: Dei faxina em minha casa à luz de velas. Parece tolice, mas quem mais, além de mim, anda com disposição de começar a arrumar a casa às oito horas da noite, sem um feixe de luz em todo o quarteirão?
  
Confesso: Eu até me deitei, esperando que a luz voltasse, como alguém deve ter sugerido aí, do outro lado. Mas demorou muito e, então, acendi umas velas para auxiliar, e comecei a cuidar da louça suja na pia. Limpa aqui e esfrega acolá, até que tinha terminado tudo, inclusive arrumado o guarda-roupas... E como tenho aprendido a ver nas circunstâncias aprendizagens importantes, posso perfeitamente utilizar essa historinha boba para ilustrar, pedagogicamente, pelo menos duas grandes verdades acerca do nosso relacionamento com Deus, as quais nós comumente insistimos em esquecer.

Primeiro, é importante termos reservas em nossas vidas para lidar com as circunstâncias difíceis, escuras, solitárias. Muitas vezes somos provados e, se nos faltar fé, a chama da esperança jamais poderá ser acesa para nos manter equilibrados, hábeis e persistentes. As experiências nos fortalecem para as próximas dificuldades. E nós resistimos melhor quando unimos o pavio dessas lembranças de superação com o combustível sólido da fé, e inevitavelmente produzimos a luz da esperança, das novas perspectivas.

“Lembro-me da minha aflição e do meu delírio, da minha amargura e do meu pesar. Lembro-me bem disso tudo, e a minha alma desfalece dentro de mim. Todavia, lembro-me também do que pode me dar esperança: Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as Suas misericórdias são inesgotáveis. Renovam-se cada manhã; grande é a Sua fidelidade.”[1] Recordar-se que o amor do Senhor nos mantém vivos e fortalecidos é um  energético instantâneo e ultra potente para o ânimo da alma entristecida.

Segundo, é importante termos consciência e confiança na verdade que, mesmo na escuridão, Deus está nos vendo e sabe exatamente o que precisa ser feito e como deve ser feito.

Assim como eu conheço cada detalhe da minha casa e sei onde tudo está guardado, de forma que pude lidar bem com sua limpeza mesmo com pouquíssima luz, Deus conhece cada detalhe das nossas vidas e sentimentos e pode lidar com eles mesmo na mais intensa escuridão. Ele conhece intimamente cada pedacinho do nosso eu, sabe de todas as ferramentas e utensílios necessários para lidar conosco e sabe perfeitamente como e quando utilizá-los.

Seus olhos, como chamas de fogo, iluminam tudo o que Deus precisa ver em nós e por nós, em meio à escuridão que muitas vezes nos envolve, e sempre nos traz o livramento, o socorro no momento oportuno: “Então, quem pode nos separar do amor de Cristo? Serão os sofrimentos, as dificuldades, a perseguição, a fome, a pobreza, o perigo ou a morte? [...] Em todo o Universo não há nada que possa nos separar do amor de Deus, que é nosso por meio de Cristo Jesus, o nosso Senhor”[2]. “O Teu amor fiel por mim é muito grande! Tu me salvaste, quando eu estava às portas da morte”[3]. “Eu sou o Senhor, o Deus de toda a humanidade! Por acaso haverá algo que seja impossível para Mim?”[4]

De fato, grande, sábio e forte é o Senhor para agir sobre a escuridão das circunstâncias difíceis que nos acometem, e também sobre a escuridão dentro das nossas almas. Quando tudo se torna sombrio, Ele Se manifesta, se não para nos socorrer de sucumbirmos em meio às adversidades, vem para nos socorrer de sermos vítimas de nós mesmos, dessa nossa insensatez, capaz de nos causar danos de proporções eternas. “Não há nada que se possa esconder de Deus. Em toda a criação, tudo está descoberto e aberto diante de Seus olhos [...]”[5]. “[...] Eu vejo o coração”[6]. Estes são somente alguns lembretes da bíblia para nós a esse respeito.

Contudo, não é preciso que a luz falte em nossas casas, para ouvirmos o Senhor falando conosco sobre Sua fidelidade e a nossa necessidade de nos mantermos ligados a Ele e às coisas celestiais para que nossa fé permaneça viva. A atitude correta é bem mais simples, porém, muito mais urgente.

É dobrarmos nossos joelhos todos os dias em adoração, em agradecimento, e em rendição. É amarmos a Sua Palavra e a tratarmos como o mais potente gerador de energia e luz para nossas vidas, o qual jamais é desligado, e nem deixa que nossas lâmpadas se apaguem.







[1] Lamentações de Jeremias 3:19-23 – NVI
[2] Romanos 8:35, 39 – NTLH
[3] Salmo 86:13 – Viva
[4] Jeremias 32:27 – Viva
[5] Hebreus 4:13 – NTLH
[6] 1Samuel 16:7 – NTLH