domingo, 22 de junho de 2014

A promessa


By Elaine Cândida, com imagens disponíveis na Internet.



“Portanto, vigiem, porque vocês não sabem em que dia virá o seu Senhor.
Mas entendam isto: Se o dono da casa soubesse
a que hora da noite o ladrão viria, ele ficaria de guarda
e não deixaria que a sua casa fosse arrombada.
Assim, também vocês precisam estar preparados,
porque o Filho do homem virá
numa hora em que vocês menos esperam.”
Mateus 24:42-44 – NVI


No mundo hodierno,
corrido, sofrido,
caído, desfigurado,
frio, desvirtuado,
incrédulo, lamuriento,
difícil é falar
de arrebatamento.

Difícil é falar
da volta do Messias,
que, a cada dia,
parece mais distante
diante da fé vacilante,
rasa, materialista,
imediatista, flutuante.

Bem como o Mestre
sabiamente já previa:
Por causa da iniquidade,
o amor de muitos esfriaria.
Questionariam Sua verdade.
E, quando Ele retornasse,
será que fé encontraria?

Mas se nossa fé oscila,
pode logo se recompor,
pelos registros da Bíblia,
conforme disse o Senhor:
O tremor da terra e da paz,
guerras entre nações
e entre os filhos e seus pais,

pestes, tirania,
fome e outros horrores...
Tudo isso seria
só o princípio das dores.
E o mundo, ignorando isso,
faz que sua indiferença
apresse-o, rumo ao abismo.

Esse mundo hodierno,
altivo e ensimesmado,
segue, à passos apressados,
pra mais longe do Senhor,
esnobando Sua Palavra
que tão claramente fala
sobre a volta do Salvador.

Difícil é falar-lhe
de santificação,
de novidade de vida,
de ressurreição.
Mas ouso, mesmo assim,
ainda que não creiam
e até zombem de mim.

Pois a promessa existe,
pelo Cristo anunciada,
que Ele voltaria
pra buscar Sua Igreja amada,
formada pelos santos
que não se escondem
em rituais ou atrás de placas.

Quem a promessa guarda
e por Jesus aguarda,
ainda que perca a vida
nesta breve jornada,
segue em paz pro infinito,
pois sabe que ao lado de Cristo
para sempre terá morada.