terça-feira, 29 de julho de 2014

Pequenos gestos



Imagem disponível na internet.

“Assim como a água reflete o rosto, o coração reflete quem somos nós.”
Provérbios 27.19 – NTLH



Há algo intrigante na simplicidade de pequenos gestos: Eles dão sentido à vida.

Coisas simples, coisas pequenas, gestos sutis, expressões singelas. Certos acontecimentos assim falam muito mais sobre a verdade que nós, muitas vezes, não conseguimos (ou não queremos) demonstrar através dos nossos discursos bem elaborados e obras faraônicas. Pouca gente que trabalha lá dentro sabe o nome dos arquitetos do Burj Khalifa, mas a maioria certamente conhece os porteiros que lhe cumprimentam todas as manhãs na recepção.

Pequenos gestos marcam intensamente nossos sentimentos, dão cores a mundos desbotados, promovem esperança, renovam alegrias perdidas pelos dissabores inevitáveis da vida. 

É como a leitura de um Salmo ou o abrir as cortinas da janela do quarto numa manhã ensolarada, tentando produzir algum conforto para o moribundo que passa seus dias aprisionado ao leito de um hospital. Gestos pequenos que fazem a diferença para quem precisa.

Somente quem necessitou de um copo com água para matar a sede, ou de algumas moedinhas para completar o valor da única refeição do seu dia, é que sabe explicar a sublimidade que há na simplicidade do fazer.

O silêncio que evita uma discussão intensa, o sorriso que reascende uma paixão, uma música enviada a uma pessoa querida numa madrugada solitária, o ombro que se empresta para apoiar e conduzir um cego até o outro lado da rua, uma palavra de ânimo depois da queda, uma atenção sem pressa de julgar ao desabafo de um conhecido. Coisas simples que modificam horizontes e projetam luz sobre quem, às vezes, se perde nas sombras pelo caminho.

Coisas simples que nós somos capazes de fazer, uns pelos outros. Nada que possa ser comparado à grandeza e à complexidade das obras que Deus tem feito por nós. 

Certamente que a Sua misericórdia extravagante nos isentou de responsabilidades com as quais jamais poderíamos arcar. Por outro lado, a Sua bondade extrema nos permite participarmos da Sua glória, demonstrando em gestos simples e servis, a real dimensão do amor. Assim, o mundo não só vê Deus mais de perto, mas também experimenta da graça que é capaz de transformar a sua vida. 

Sutilezas de extrema grandeza que nos habilitam a sermos úteis para outras pessoas e a percebermos a importância que elas também têm para nossas vidas.